PATINETES

Lime deixa América Latina

10/01/2020 10:56

No total, 12 cidades não estavam dando lucro.

No Brasil, empresa atuava no Rio de Janeiro e em São Paulo há seis meses. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Lime, startup americana de patinetes elétricos, anunciou o encerramento de suas atividades em 12 cidades, o que inclui toda operação da empresa na América Latina.

No Brasil, a empresa operava no Rio de Janeiro e em São Paulo desde julho de 2019, além das cidades latino-americanas de Bogotá (Colômbia), Buenos Aires (Argentina), Montevidéu (Uruguai), Lima (Peru) e Puerto Vallarta (México).

A operação de São Paulo será finalizada nas próximas semanas e a do Rio de Janeiro, nos próximos meses.

Alguns mercados dos Estados Unidos também serão encerrados. Entre eles, estão as cidades de  Atlanta, Phoenix, San Diego e San Antonio. Na Europa, a única cidade afetada é Linz, na Áustria.

Segundo a empresa, estas cidades estão evoluindo mais lentamente na micromobilidade, sem dar lucro tão rápido quanto a grande maioria dos mais de 120 mercados onde a empresa atua.

“Parte da concretização de nossa visão de transformar a mobilidade urbana é alcançar a independência financeira. É por isso que mudamos nosso foco principal para a lucratividade”, afirma o Brad Bao, CEO da Lime, em comunicado publicado no site da empresa.

Também no comunicado, o executivo diz que espera poder introduzir a Lime novamente nessas comunidades quando for a hora certa.

Segundo o site Axios, as demissões devem ficar em torno de 100 no total, aproximadamente 14% da força de trabalho da empresa.

A Lime já recebeu mais de US$ 765 milhões em sete rodadas de investimentos, atingindo um valor de mercado de US$ 2,4 bilhões em 2019.

O site Tecnoblog afirma que o mercado de patinetes elétricos está em consolidação. Empresas como Bird, Scoot e Lyft, que não atuam no Brasil, deixaram de atuar em alguns mercados e demitiram funcionários. 

No Brasil, ainda de acordo com o site, a mexicana Grin realizou fusões com as concorrentes Ride e Yellow, e agora se chama Grow. A Uber começou a oferecer esses veículos no Brasil, inicialmente apenas em Santos, São Paulo.

Veja também

TENDÊNCIA
Micromobilidade e carro voador, você embarcaria?

Estamos assistindo a um ‘boom’ em grandes cidades mundo afora de novos serviços de micromobilidade.

AVIAÇÃO
Embraer avança em motores elétricos

Gigante de aviação começou testes com motores da WEG. 

MOBILIDADE
Marcopolo prepara ônibus rodoviário elétrico

Empresa gaúcha está desenvolvendo novo modelo inédito no mercado nacional.

TRANSFORMAÇÃO
Morre a indústria automobilística, nasce a mobilidade como indústria

Sai de cena a fabricação de carros, entra no lugar a criação de plataformas de mobilidade.

MERCADO
Carro elétrico no Brasil: tudo ainda é mato

Montadoras ainda querem empurrar motor, mas consumidor já está pronto para elétricos.

FUTURO
Entenda o que o Porsche Taycan representa

Gigante alemã é a primeira montadora a encarar a Tesla de frente no tema carro elétrico.

PREVISÃO
O futuro apavorante da indústria automotiva

Acordo entre Toyota e BYD é mais uma movimentação que sinaliza disrupção.

EQC
Mercedes-Benz lança carro elétrico no Brasil

SUV concorrente do Jaguar I-Pace não tem preço definido, mas deve custar uma baba.

CORRIDAS
SP e RJ brigam pela F1. Em Porto Alegre, um plano diferente

Um empreendedor quer transformar a capital gaúcha em um pólo mundial nacional para carros elétricos.

MERCADO
Jaguar tem carro elétrico no Brasil

Só que custa nada menos que meio milhão de reais. Carro elétrico vai ser sempre caro?