Google de olho nos wearables. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

O Google está se preparando para lançar uma nova investida do seu sistema operacional, o Android, sobre a nova geração de tecnologias wearable - roupas e acessórios conectados inteligentes - com a meta de fazer com eles o mesmo que conseguiu nos smartphones: dominar o mercado.

Segundo informação do Financial Times, o chefe do Android no Google, Sundar Pichai, afirmou que a companhia preparou um novo kit de desenvolvimento para a criação de aplicações usando o sistema operacional em smartwatches, monitores de saúde e roupas inteligentes.

Conforme destacou Pichai em uma palestra no South By Southwest, nos Estados Unidos , o toolkit será lançado em duas semanas e servirá para delimitar a visão do Google para os wearables, usando uma plataforma única para isso.

O plano é ambicioso, mas plausível. Atualmente, mais de 75% do mercado mundial de smartphones usam Android. Por outro lado, em um mercado ainda prematuro como o dos wearables, as tecnologias ainda estão indefinidas.

Com este kit, Pichai destaca que o Google quer se estabelecer como uma referência, assim como fez quando anunciou o Google Glass há três anos.

Segundo analistas, o movimento do Google indica que a empresa deve lançar seu relógio inteligente nos próximos meses. De acordo com o Financial Times, o gadget estaria sendo produzinho pela LG, mas até então nada foi confirmado.

A Samsung, uma das principais aliadas do Google no domínio mundial do Android, não pretende mais o sistema operacional da empresa de Mountain View em seu Galaxy Gear.

Embora tenha usado o Android no no primeiro modelo do smartwatch, na recém anunciada segunda versão do gadget, a fabricante sul-coreana empregará seu sistema próprio, o Tizen, para o gerenciamento das aplicações.

Na concorrência, a Apple deve divulgar ainda este ano o seu iWatch, que deverá rodar uma versão adaptada de sua tradicional iOS. A Microsoft também está trabalhando em tecnologias wearable, segundo fontes de mercado, mas até então nada foi confirmado.