Germano Grings tinha entre suas responsabilidades a HT Solutions. Foto: divulgação.

A família Seger comprou a parte da família Grings na Herval, um grupo empresarial gaúcho com faturamento na faixa dos R$ 3 bilhões e sede em Dois Irmãos, no Vale do Sinos. 

Com a aquisição, os Seger passam a deter 100% da empresa. 

Uma aparente consequência da movimentação foi a saída da Herval de Germano Grings, vice presidente responsável pelo braço de varejo da empresa.

Atualmente, a organização tem 20 marcas e 14 empresas. Atua nos segmentos de indústria, comércio e serviços. Tem marcas como taQi e iPlace. José Agnelo Seger segue como CEO.

Agora é aguardar as consequências da saída de Grings nos negócios da Herval no varejo, que incluem a HT Solutions, braço de soluções de tecnologia do Grupo Herval.

A julgar pelos resultados, pouco deve mudar.

A HT teve um crescimento de 150% no seu faturamento em 2018, resultado que a torna a maior parceira HP Inc no Brasil e a deixa entre as três maiores da HPE.

A empresa não abre o faturamento, dizendo apenas que representa 4% do total da Herval. É bastante dinheiro. De acordo com uma matéria do Valor Econômico, a Herval faturou R$ 3 bilhões em 2016, ano no qual a empresa cresceu 15%. 

A Herval não publica balanços e não houve uma informação nova desde então. Supondo que a empresa ficou na mesma, o faturamento da HT Solutions seria de R$ 120 milhões.

Caso a Herval tenha batido a sua meta de 20% para 2017 e tenha crescido outros 10% em 2018, a HT pode estar faturando perto de R$ 160 milhões. 

A meta da HT para 2019 é crescer 100%, o que pode colocar a empresa perto ou acima dos R$ 300 milhões.

A empresa é liderada por Wagner Alledo, contratado pela Herval para liderar a divisão em 2012, vindo da HP, onde era gerente executivo de contas estratégicas, com experiência em varejo. 

Grings conhece o mercado de tecnologia e deve estar capitalizado com a venda. Vem novidades por aí?