FINTECH

Dança das cadeiras na Ebanx

10/05/2021 08:01

Fintech de destaque reorganiza cargos de fundadores e traz um CFO de peso.

Sede da Ebanx em Curitiba. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Ebanx, empresa de processamento de pagamentos que é um dos destaques na cena fintech brasileira, fez uma ampla dança das cadeiras no topo, colocando João Del Valle, fundador e por sete anos CTO do negócio, como novo CEO.

Del Valle, que nos últimos três anos era o COO, assume no lugar de Alphonse Voigt, outro co-fundador, que liderava a companhia desde a fundação em Curitiba, nove anos atrás.

Voigt passa para a presidência do conselho de administração. Wagner Ruiz, o terceiro dos fundadores, deixa a posição de CFO para assumir a de Chief Risk Officer, liderando iniciativas focadas em assuntos regulatórios e de compliance.

O cargo de CFO, por sua vez, fica com um nome de fora da empresa: Alexandre Dinkelmann, um executivo experiente, que passou 10 anos no BTG Pactual, foi CFO da Totvs entre 2011 e 2014 e nos últimos foi gerente geral da Onyo, uma startup de e-commerce no segmento de alimentação adquirida recentemente pela concorrente Pede Pronto.

De acordo com a Forbes, as alterações visam “fortalecer a governança e aumentar a eficiência operacional” da empresa, rumo a uma possível abertura de capital nos Estados Unidos.

Antes do IPO, porém, a Ebanx conta com mais um aporte de capital vindo de fundos em 2021.

O último aporte recebido pelo Ebanx ocorreu em outubro de 2019, quando o fundo norte-americano FTV Capital aplicou um valor não divulgado dentro da fintech. 

Naquela oportunidade, o valor de mercado da companhia atingiu o patamar de US$ 1 bilhão, tornando-a um unicórnio. 

Antes disso, em janeiro de 2018, o mesmo FTV Capital, em conjunto com a Endeavor Catalyst, investiu US$ 30 milhões na empresa.

Em entrevista à Forbes, Del Valle colocou como metas a “expansão agressiva” na América Central e América do Sul e ampliação do escopo de atividades, deixando de ser uma empresa de processamento de pagamentos internacionais para atuar também em “tudo que envolva pagamentos, especialmente para grandes companhias.”

A tecnologia da Ebanx é usada para intermediar pagamentos para grandes marcas como Uber, Spotify, AliExpress de cerca de 70 milhões de pessoas na América Latina.

Somente no ano passado, a empresa intermediou mais de 145 milhões de transações, o que representou um salto de 38% sobre 2019. Sem considerar o Brasil, o avanço foi ainda superior, de 200%. A cifra total movimentada no período não foi revelada.

Atualmente, a companhia também está presente nos seguintes países da América Latina: México, Argentina, Colômbia, Chile, Peru, Uruguai, Bolívia, Equador e Paraguai. 

O único unicórnio surgido na região Sul, a Ebanx contou pontos decisivos para tonar Curitiba um polo promissor para fintechs em nível mundial, junto com cidades como Frankfurt, Manila, nas Filipinas, ou Cairo, no Egito.

É o que aponta o estudo Global Fintech Ecosystem Report 2020, realizado pela Startup Genome, Global Entrepreneurship Network e Crunchbase, nomes conhecidos do cenário de inovação mundial.

A capital paranaense faz parte das 13 cidades listadas no ranking Ecosystems to Watch, onde estão cidades com potencial para desenvolver empresas do tipo fintech.

COMPRA DE PARTICIPAÇÃO DO TOPÁZIO

No começo do ano, a Ebanx secundou suas ambições com a compra de uma fatia de 30% do banco Topázio, instituição financeira gaúcha ligada ao grupo Ernesto Corrêa.

Fundado em 2005, o Topázio é ligado a Ernesto Corrêa, empresário gaúcho avesso a holofotes, que reuniu sob a marca do grupo que leva o seu sobrenome negócios como a processadora de cartões GetNet, vendida ao Santander em 2014.

O banco investe em um modelo 100% digital, sem agências físicas, com um portfólio para pessoas físicas e jurídicas em áreas como crédito, câmbio e investimentos.

Desde 2017, também vem migrando para os bastidores ao priorizar uma oferta sob o conceito de bank as a service, com um arcabouço tecnológico e regulatório para que fintechs e outras empresas encurtem o caminho para a oferta de produtos e serviços financeiros.

Entre essas companhias, estão nomes como o Mercado Pago, fintech do Mercado Livre, a incorporadora Vitacon e a própria Ebanx — que tem o banco como parceiro na Ebanx Go, conta digital voltada a pessoas físicas.

Veja também

EXPANSÃO
Ebanx inicia operações na América Central

Fintech começa a atuar na Costa Rica, El Salvador, Panamá, Guatemala e República Dominicana.

BANCOS 2.0
BTG+ roda todo na nuvem da AWS

Novo BTG+ espera atingir 4,5 milhões de correntistas em três anos.

PROBLEMATIZANDO
Chatbot do Bradesco educa sobre machismo

Mas será que o problema é esse? Enquanto isso, outra empresa inova e lança um atendente virtual não binário.  

MÓVEIS
MadeiraMadeira integra pagamentos com DB1

Clientes agora podem fazer pagamento na loja física enquanto compram no e-commerce.

FINTECHS
Ebanx compra 30% do Banco Topázio

O acordo foi fechado no início deste ano e aguarda a aprovação do Banco Central e do Cade. 

MÓVEIS
MadeiraMadeira é o novo unicórnio brasileiro

E-commerce curitibano foi avaliado em mais de US$ 1 bilhão em rodada série E antes do IPO.

BILIONÁRIA
Creditas é o novo unicórnio brasileiro

A fintech foi avaliada em US$ 1,75 bilhão em rodada série E liderada pelo LGT Lightstone.

QUENTE
Curitiba é destaque mundial em fintechs

Vale do Pinhão foi destaque em relatório da Startup Genome e do Crunchbase.

FINTECH
AL5 Bank cadastra chaves Pix com DB1

Aplicação foi necessária para atender todos os requisitos mínimos do Banco Central.

ACELERAÇÃO
Empresas Randon procura startups gaúchas

O programa Startup Creator está com inscrições abertas até o dia 15 de maio.

CARTEIRA
Ame compra Nexoos

A fintech paulistana conecta investidores a pequenas e médias empresas que buscam empréstimo.

BOLSA
PicPay fará IPO na Nasdaq

Há uma semana, a fintech de pagamentos bateu mais de 50 milhões de usuários.

CARAS
Itaú tem biometria no app

Deve ser um dos maiores contratos do ano. Infelizmente, o Itaú não fala quem levou.

DOR DE CABEÇA
Mercado Livre quer melar compra da Magalu

Aquisição da fintech Hub Prepaid foi aprovada pelo Cade em março, mas a concorrente recorreu.