FRIGORÍFICOS

JBS paga resgate de US$ 11 milhões para hackers

10/06/2021 14:36

Ataque de ransomware paralisou operações da empresa na América do Norte e Austrália.

As fábricas processam cerca de um quinto do suprimento de carne dos Estados Unidos. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A JBS, brasileira que é uma das maiores indústrias de alimentos do mundo, pagou US$ 11 milhões (cerca de R$ 55 milhões) em bitcoins para os hackers que paralisaram as operações da companhia na América do Norte e na Austrália.

Segundo o The Wall Street Journal, a informação é de André Nogueira, presidente executivo da divisão americana da empresa de carnes.

O executivo disse que o pagamento foi feito para proteger os frigoríficos da JBS de novas interrupções e para limitar o impacto potencial sobre restaurantes, mercearias e fazendeiros que dependem da empresa. 

As fábricas processam cerca de um quinto do suprimento de carne dos Estados Unidos e o pagamento foi feito depois que a maioria delas voltou a funcionar.

“Foi muito doloroso pagar aos criminosos, mas fizemos a coisa certa pelos nossos clientes”, afirmou Nogueira ao WSJ.

O ataque de ransomware à JBS aconteceu no dia 30 de maio e o FBI, polícia federal americana, está investigando o caso, que pode ter origem em um grupo baseado na Rússia.

Na ocasião, a unidade norte-americana da JBS comunicou que o ataque havia afetado alguns dos servidores que suportam seus sistemas de TI norte-americanos e australianos.

Em nota, a companhia afirmou ter tomado medidas imediatas, suspendendo todos os sistemas afetados, notificando as autoridades e ativando a rede global da empresa de profissionais de TI e especialistas terceirizados para resolver a situação.

A indústria avisou que não poderia operar sem acesso a sistemas de TI e internet, suspendendo todo o processamento de bovinos e ovinos da JBS na Austrália e nos Estados Unidos, além das fábricas no Canadá.

No país da Oceania, a empresa possui uma rede de 47 instalações com matadouros e confinamentos nos estados australianos de New South Wales (NSW), Queensland, Victoria e Tasmânia. Já nos Estados Unidos, estão as cinco maiores fábricas de carne bovina da JBS.

O ataque não impactou as operações no Brasil e em nenhum país da América do Sul. Fábricas do México e do Reino Unido também não foram afetadas.

Fundada em 1953, a JBS teve origem em Goiás e hoje é listada pelo Bloomberg como a segunda maior empresa de alimentos do mundo, com lucro líquido de R$ 4,6 bilhões em 2020, baixa de 24,2%.

A companhia tem unidades produtivas e escritórios comerciais em 16 países, com mais de 240 mil colaboradores, atendendo a mais de 275 mil clientes de 190 países.

Nos Estados Unidos, a empresa é a maior processadora de carne bovina e uma das principais fornecedoras de frango e porco. Sua subsidiária Pilgrim's Pride Corp., também atingida pelo ataque, é a segunda maior processadora de aves dos Estados Unidos.

Veja também

RANSOMWARE
Grupo Moura sofre ataque hacker

Responsável seria o DarkSide, mesmo grupo que atacou a Colonial Pipeline e a Copel.

PAROU
Colonial Pipeline paga US$ 5 milhões para hackers

Empresa tem o maior sistema de oleoduto para produtos petrolíferos refinados dos Estados Unidos.

SEGURANÇA
Hospital Bruno Born: proteção com SonicWall

A instituição implementou recursos para proteger o data center com a consultoria Max Protection.

SUPREMO
STF: site fora do ar para investigar ataque

Em nota, o órgão máximo do Poder Judiciário negou sequestro de dados.

SEGURANÇA
Faitec: proteção de dados e backup com Arcserve

A consultoria media o tempo de geração dos backups em horas e, agora, isso é feito em minutos. 

PROBLEMAS
TJ-RS sofreu ataque de ransomware

Desembargador confirma que sistemas foram sequestrados e descreve situação caótica na Justiça gaúcha.