Frisina: Juv&You quer atingir 22 mil empreendedoras até 2017. Foto: divulgação

Uma startup que utiliza um consagrado modelo de vendas pretende chegar aos R$ 300 milhões de faturamento nos próximos cinco anos.

A Juv&You copiou a “fórmula” de Avon e Natura, por exemplo, para vender bijuterias através de revendedoras, mas misturou à isso o comércio pela internet.

Gustavo Frisina, Diretor de Marketing da startup, explica que o objetivo é ser mais que um e-commerce.

“Queremos que nossos canais cresçam todos juntos. Vimos este potencial na venda direta e usamos o site como suporte”, conta.

Além do comércio eletrônico, os outros canais citados pelo executivo são catálogo, bazar e multi-nível.

Frisina, que tem experiência na indústria de consumo feminino, com passagem por Nívea e L’Oréal, cofundou a Juv&You no início de 2012 em parceria com Livia Abrarpour, executiva que criou nos EUA a butique Praia Beach, fundou a Brandsclub no México e no Brasil fez trajetória no Groupon.

Sem revelar números, a criação da startup teve o aporte do ru-Net, fundo de investimentos russo. E conta com os investidores extrangeiros Kai Schoppen, executivo atuante no e-Bay, e Florian Otto, co-fundador do Groupon

A expectativa da empresa é de alcançar uma base de 22 mil empreendedoras até 2017. Em fase experimental, atualmente são cem vendedoras, com o objetivo de chegar a mil até o final de 2012.

Segundo Frisina, o início da prospecção é em São Paulo, onde fica a sede da empresa, atualmente com 15 colaboradores. A principal ferramenta, no entanto, são as redes sociais.

“Pretendemos ser uma nova Avon, mas de acessórios fashion e com esse espaço online”, compara. Futuramente, a startup abrirá o foco para outros tipos de produtos.

Com foco em criar uma rede de revendedoras junto às jovens universitárias, o Juv&You utiliza estratégias com blogueiras de moda e lifestyle, que são consideradas influenciadoras pela empresa.

Para isso, também serão realizados eventos apresentando o modelo de negócio.

A logística de entrega, realizada em até três dias, é de responsabilidade da empresa, garante o Diretor de Marketing.

O investimento inicial das revendedoras é de R$ 299, em um kit avaliado em R$ 600. Cadastradas na empresa elas recebem 20% de comissão pelas vendas e são inseridas em um programa de incentivos, como bônus e viagens.

As profissionais possuem sua própria página no site, com uma vitrine dos itens, que podem ser adquiridos diretamente pela internet e comissionados automaticamente.

A outra opção é reunir clientes em bazares para apresentar as peças e fechar os pedidos.

“Queremos tirar a complexidade do pagamento e do gerenciamento de pedidos da mão das revendedoras. Por isso, os pagamentos são feitos online diretamente no site”, explica.