Esse é o 5C branquinho. Foto: reprodução.

Todo ano é assim. Depois de meses e meses de especulação e vazamentos, chega o momento de saber de verdade os planos da Apple para o iPhone. Desta vez, o esperado e turbinado iPhone 5S veio acompanhado de uma novidade: o iPhone 5C, a versão colorida e mais barata do smartphone.

Embora o carro-chefe da companhia seja o 5S, voltado ao fiel e seleto público da fabricante, o 5C aponta um caminho inédito na história da companhia, que deixa de lado um pouco a imagem do iPhone como um produto premium e entrega um modelo mais econômico.

O iPhone 5C contará com especificações semelhantes ao iPhone 5, como um processador A6, câmera de 8MP e display retina de 4". No entanto, o visual foi mudado bastante, com estrutura em metal e acabamento em plástico, o que renderá modelos em cores variadas - verde, amarelo, azul, branco e vermelho.

O aparelho também guarda outras novidades, como um upgrade da câmera frontal, que agora tem capacidade HD, e o novo sistema operacional, o iOS 7.

Além disso, de acordo com a Apple, o novo iPhone será compatível com diversas frequências LTE ao redor do mundo, um movimento claro para ganhar força mundialmente, principalmente em mercados emergentes, como a China e até mesmo o Brasil.

Vale lembrar que o iPhone 5, embora fosse um smartphone 4G, não era compatível com diversos sinais 4G na Europa, Ásia. No Brasil também não.

A Apple divulgou que o iPhone 5C chegará às lojas americanas em 20 de setembro - mesmo dia que o 5S - com preços de US$99 para o modelo de 16GB e US$199 para o modelo de 32GB, com contratos de dois anos com operadoras.

Segundo analistas, estima-se que o valor do smartphone desbloqueado fique na faixa entre US$ 300 e US$ 500 para o modelo de 32GB.

O BOM

Mais do que uma atualização do iPhone 5, para a Apple o iPhone 5S é um salto de qualidade para a marca. Embora por fora o smartphone não seja muito diferente do seu irmão mais velho, debaixo do capô a Apple fez mudanças significativas.

O iPhone 5S, que roda o iOS 7, apresenta o chip A7, o primeiro processador de 64 bits produzido para um smartphone. Segundo a Apple, esta mudança duplica o poder de fogo do smartphone em relação ao iPhone 5.

Além do A7, a Apple acrescentou um processador de movimento, reformulando a mensuração de dados do acelerômetro e giroscópio, o que possibilitará maior precisão em apps de saúde e exercício físico, por exemplo.

Embora a câmera continue a de 8MP, o novo smartphone porta um flash dual-LED e uma maior lente, que prometem melhorar a qualidade das fotos em ambientes em baixa iluminação, uma queixa que ainda persistiu no iPhone 5.

No hardware, a novidade principal vem no botão home do aparelho, que agora guarda também um scanner biométrico, que substituirá a necessidade de senhas para desbloquear o telefone.

Segundo a Apple, o 5S foi melhorado na sua autonomia de energia, com uma bateria capaz de suportar até dez horas de ligações ou dez horas de navegação - em standby o tempo da bateria pode chegar a 250 horas.

Longe das cores do 5C, o iPhone 5S mantém as cores clássicas em preto e branco, mas agora com um extra para os mais exibidos. Também será disponibilizado uma versão dourada do aparelho.

Quanto ao preço, o valor será o mesmo da geração anterior - com os modelos de 16GB por US$ 199, o de 32GB por US$ 299, e o 64GB por US$ 399, também com contratos subsidiados de dois anos com operadoras. O valor para os desbloqueados partirá de US$ 650.

OS NOVOS

Conforme apontam analistas, por toda a história do iPhone, a Apple se manteve firme ao formato de oferecer um produto por ano, com uma política específica de "modelo novo" e "modelo antigo".

Com o anúncio desta terça-feira, a Apple posiciona pela primeira vez o lançamento do iPhone como uma linha de produtos, com sua versão premium - o 5S - e o econômico - 5C.

Em um mercado cada vez mais segmentado - e com o avanço de marcas atentas a isso, como LG, Nokia e principalmente a Samsung - era esperado que a Apple embarcasse nessa, para crescer no mercado asiático, que está cada vez gastando mais nas marcas de casa.

No início do ano, a luz amarela acendeu para a Apple, que após o frisson do lançamento do iPhone 5, registrou uma queda considerável nas vendas de seu celular, chegando inclusive a reduzir a quantidade de fabricação do produto.

"Criando um modelo menos caro de seu dispositivo permitirá à Apple atingir mercados onde o modelo de subsídio não funciona", afirma Matthew Panzarino, do TechCrunch.

Já de olho no anúncio da Apple, a concorrência não perdeu tempo. A Nokia, em seu perfil no Twitter, fez uma brincadeira com a abordagem colorida para o lançamento do 5C, comparando-o com a sua linha de smartphones Lumia, que possui um design semelhante e opções em diversas cores.

"Imitação é a melhor forma de elogio", disparou a fabricante finlandesa.