Foto: divulgação.

A AeC, uma das maiores empresas de contact center e terceirização de processos de negócios no Brasil, contratou a solução da Quest Software, especializada em software de gerenciamento e segurança de sistemas, para gerenciar seus endpoints.

Logo no início da pandemia, entre março e abril de 2020, a AeC decidiu alocar em home office 80% dos seus mais de 25 mil colaboradores. 

A mudança do grande número de colaboradores para o regime de teletrabalho em um período muito curto acabou gerando algumas dificuldades e desafios quanto ao controle dos usuários e visibilidade dos sistemas da empresa. 

“Passado o primeiro impacto, precisávamos de uma solução que resolvesse esses problemas de forma flexível e nos permitisse o monitoramento e gestão de qualquer lugar”, conta Gustavo Teixeira, CIO da AeC.

Assim, a AeC abriu concorrência e fez uma série de provas de conceito com diversos fornecedores e apenas o KACE, solução de gerenciamento de endpoints da Quest Software, conseguiu realizar o gerenciamento completo dos devices com mesmo nível de gestão para as máquinas locadas dentro e fora da rede da companhia.

“Com o KACE, temos uma gestão completa de devices com inventário, gestão de software, patch management e conseguimos aliar as necessidades comerciais, sanitárias e de TI. Desde a implementação da fase inicial até a manutenção, tudo está sendo feito com segurança e suporte ágil e usando uma arquitetura amigável, o que está nos proporcionando rápido retorno do investimento”, avalia Teixeira.

Com quase 30 anos de mercado, a AeC tem sede em Minas Gerais e conta com cerca de 25 mil colaboradores trabalhando em 16 unidades distribuídas em 11 cidades de sete estados do Brasil. 

Atuando desde 1987, a Quest está presente em mais de 130 mil companhias, distribuídas por cerca de 100 países, com presença em 95% das empresas listadas no ranking da Fortune 500 e 90% das empresas listadas no Global 1000.

No último ano fiscal, a operação da Quest na América Latina cresceu 54%. A projeção da companhia é triplicar a operação em cinco anos, faturando cerca de US$ 50 milhões na região.