Bernardo Gomes, presidente da Sinqia.

A Sinqia, empresa de softwares para o setor financeiro, fechou o ano passado com uma receita líquida de R$ 210 milhões, uma alta de 19,9% frente aos resultados de 2019.

Os indicadores positivos também são vistos no EBITDA ajustado de R$ 30,2 milhões, 43% a mais que em 2019. 

“A partir do segundo semestre, confirmamos que o contexto econômico não havia prejudicado nosso plano de consolidação. São nossos melhores resultados desde o IPO”, destaca o presidente da companhia, Bernardo Gomes. 

A Sinqia vem fazendo aquisições em série, visando se consolidar na área financeira. Foram três compras no ano passado.

Em agosto, a Sinqia solidificou sua posição de liderança no mercado de previdência com a aquisição da ISP (Itaú Soluções Previdenciárias), fornecedora de softwares e serviços para previdência fechada. 

Em outubro, comprou a Tree Solution, especialista em softwares para Câmbio e, em dezembro, a Fromtis, referência em softwares para o segmento de FIDCs. Já são 17 compras desde 2005.

“O setor financeiro está passando por um processo de disrupção tecnológica impulsionado pela mudança no comportamento do consumidor e no posicionamento do regulador. Estão surgindo novas demandas e a Sinqia está pronta para atendê-las”, conta Gomes.   

Dinheiro para seguir comprando a empresa tem: a Sinqia finalizou o ano com R$ 321,1 milhões em caixa. 

“Mantemos recursos suficientes para intensificar o plano de consolidação. Os recursos estão disponíveis, o pipeline de M&A tem quantidade e qualidade e estamos confiantes em nossas iniciativas de corporate venture capital e inovação aberta. Estamos confiantes para  2021”, finaliza Bernardo. 

Em 2021, startups também vão entrar no foco. Em janeiro, a empresa anunciou que vai investir mais de R$ 50 milhões em inovação e startups por meio de fundos de Corporate Venture Capital (CVC) nos próximos cinco anos.

Até agora, a empresa já formou uma oferta com pilares focados em bancos, fundos, previdência e consórcios, além de outsourcing e consultoria.

No último ano, a Sinqia levantou R$ 362 milhões por meio de uma oferta subsequente de ações (follow-on) para seguir sua estratégia de crescimento, o que indica mais compras pela frente.

A Sinqia tem hoje 100 mil investidores individuais na base acionária, contra os 11 acionistas que fizeram a abertura do capital em 2013.