VENDA À VISTA?

Telefônica negocia compra da Tivit

11/06/2021 10:14

Negociações estariam avançadas e o valor da transação pode chegar a R$ 3 bilhões.

Luiz Mattar, CEO e fundador da Tivit. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Telefónica da Espanha está negociando a compra da Tivit, multinacional brasileira de soluções digitais, em um negócio que pode chegar a R$ 3 bilhões, de acordo com informações do site NeoFeed.

Na última quinta-feira, 10, Luiz Mattar, o fundador e CEO da Tivit, que tem mais de 4% da empresa, e Paulo Freitas, o diretor financeiro, teriam participado de uma reunião com representantes da Telefónica para tratar da venda.

O interesse da Telefónica é na área de serviços da Tivit e o objetivo é integrar os ativos da companhia com os da Telefónica Tech (T-Tech), filial criada em 2019 a partir de uma reorganização dos negócios do grupo espanhol.

As negociações estariam avançadas, mas sem a garantia de que o negócio será fechado. Até agora, não foi feita nenhuma proposta firme pelo ativo.

Desde o ano passado, a Tivit está em busca de um comprador para dar saída para o Apax Partners, fundo que controla a companhia de serviços de tecnologia desde 2010, quando pagou aproximadamente US$ 1 bilhão (cerca de R$ 1,6 bilhão na época).

Para os potenciais compradores, a Tivit tem dito que o Ebtida estimado para 2021 deve ficar na casa dos R$ 300 milhões. Se for considerado um múltiplo de 10 vezes o Ebitda, o valor da empresa seria de R$ 3 bilhões (aproximadamente US$ 591 milhões, ao câmbio atual).

A Tivit está em 10 países da América Latina e mais de 20% de seu faturamento é de fora do Brasil. Em 2020, sua receita estimada era de R$ 1,5 bilhão e, neste ano, a previsão é chegar a R$ 1,7 bilhão.

A T-Tech, à qual a Tivit pode ser incorporada, surgiu na Telefónica para cuidar de negócios de serviços digitais, como computação em nuvem, cibersegurança e internet das coisas. No futuro, a expectativa é que essa filial possa abrir o seu capital.

Agora, a empresa está começando a ser estruturada na América Latina. Em novembro do ano passado, a Telefônica Brasil vendeu a CyberCo Brasil, seu braço de soluções de cibersegurança, para a T-Tech, em uma operação avaliada em R$ 116,4 milhões.

Com a Tivit, a T-Tech ganharia um faturamento bilionário e uma presença na região para que essa filial possa fazer frente a nomes como IBM, Accenture, Stefanini e BRQ, que seriam os potenciais concorrentes da companhia.

A Tivit também conta com uma área de data centers, mas a Telefónica deixou esse negócio mundialmente, vendendo seus ativos para o fundo Asterion, que criou a empresa Nabiax. 

Para o Neofeed, é provável que o grupo espanhol não fique com esses ativos, vendendo-os para outros players do mercado.

A Apax Partners comprou a Tivit em 2010 e fechou o seu capital. Desde então, tentou voltar a abrir o capital da companhia por duas vezes: em 2017 e 2019. Nas duas ocasiões, o IPO não foi adiante.

Em 2017, a meta da Tivit era captar R$ 1,4 bilhão, mas a demanda bem abaixo do piso de R$ 43 a fez desistir da oferta. Dois anos depois, a situação se repetiu e a empresa desistiu do IPO, citando as condições adversas do mercado.

A Tivit começou, então, a sondar a sua venda. Em 2019, tentou se desfazer exclusivamente do negócio de data center, mas não encontrou compradores.

Para valorizar o ativo, a companhia está tentando se vender como uma empresa digital, se comparando com a Locaweb, cujo valor de mercado é de R$ 15,2 bilhões. Atualmente, mais de 50% da receita da Tivit é da área digital e de computação em nuvem.

No ano passado, a empresa também lançou a Tivit Ventures, com a meta de investir R$ 400 milhões para comprar 10 startups de software as a service até 2025. 

O primeiro negócio foi com a Privally, especializada em gestão de segurança e privacidade com foco na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), e o segundo, com a DevApi, startup de integração de sistemas e gestão de API.

Há cerca de um ano, Luiz Mattar reassumiu a Tivit após a saída de Carlos Gazaffi, com quem dividiu o comando da empresa por dois anos.

Procurada pelo Neo Feed, a Tivit informou em nota que “não comenta rumores de mercado e que continua focada na execução de sua estratégia, que tem levado a sólido crescimento e resultados expressivos”.

A Telefônica Brasil, por meio de sua assessoria de imprensa, não quis fazer comentários para a reportagem.

Veja também

FINTECH
Magalu compra Bit55

Processadora de cartões do BS2 é a sétima aquisição da companhia neste ano.

ZAP
VTEX compra Suiteshare

Startup gaúcha tem plataforma para vender pelo WhatsApp já usada em grandes empresas.

DOCUMENTOS
Unico adquire ViaNuvem

Empresa tem tecnologia de onboarding digital para concessionárias de veículos.

ESTREIA
Vinci compra Planus

Gigante francesa faz entrada no mercado brasileiro de tecnologia com aquisição de integradora.

IMÓVEIS
Softplan compra Construtor de Vendas

A empresa vai unir o CV ao Sienge, software de gestão especializado na área de construção.

ERP
Asaas compra Base

Empresa de software de cobrança quer agregar novas funcionalidades no seu produto.