Foto: Divulgação

Produção em dobro é o que a gaúcha Digitel quer com a nova fábrica, localizada em Alvorada, com inauguração na próxima semana. A fábricação passará de 10 mil para 20 mil produtos ao mês no novo local.

A nova planta da fabricante de equipamentos para comunicação de dados e rádios base digitais para Operadoras de Telefonia fica no Distrito Industrial de Alvorada – na Região Metropolitana.

EM METRO QUADRADO
São dois prédios com o total de 4,5 mil m2 em uma área de 530 mil m2.

A empresa, com 200 colaboradores, tem planos de expansão para chegar a 8 mil m2 de área construída, buscando atrair inclusive seus fornecedores para o parque, além de criar um setor específico para logística de importação.

“Agora estamos preparados para crescer”, diz Gilberto Machado, presidente e fundador da Digitel.

Machado destaca que foram investidos R$ 10 milhões com recursos próprios nesta primeira fase. Para a segunda fase, com mais 3.200 m2, está prevista a construção do prédio administrativo, que ficará pronto até o final de 2013.

Com investimentos previstos de R$ 100 milhões em dez anos, a meta da Digitel é transformar o espaço de Alvorada em um polo de empresas de tecnologia.

A SAGA
Foi durante a gestão do ex-governador do estado Germano Rigotto que a Digitel assinou o contrato que oficializou o repasse do terreno que anteriormente seria ocupado pela Dell.

O terreno seria utilizado pela Dell para ampliar sua fabricação. A multinacional, no entanto, transferiu a operação que se instalaria no local para Hortolândia (SP) em 2006.

Já no final do mesmo ano a Digitel anunciava a fábrica em Alvorada para 2007. As obras só se iniciaram no segundo semestre de 2010.

E até junho do ano passado, o terreno com área equivalente a 68 gramados do estádio Beira-Rio, situado no número 11.555 da RS-118, era utilizado como depósito pela companhia gaúcha.

EMBALADO
De 2007 a 2012, a Digitel cresceu junto com o mercado.

Dados da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) indicam que o faturamento da área de telecomunicações teve alta de 19% entre 2010 e 2011, o maior entre os segmentos monitorados pela entidade, empatado com o desempenho dos equipamentos industriais.

Graças ao Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), encabeçado pela Telebras, por exemplo, a Digitel venceu uma disputa de R$ 211,7 milhões. O contrato envolve o fornecimento de equipamentos de rádio, e equivale a três anos de movimentação financeira da empresa.

No total, o consórcio de empresas nacionais liderado pela Digitel fornecerá em quatro anos cerca de 6,5 mil enlaces de rádio de alta velocidade para o PNBL.

Do total de R$ 1 bilhão previsto pelo PNBL para investir no período, o sistema via rádio representa R$ 220 milhões.

Fundada na década de 1970, a Digitel fatura entre R$ 60 milhões a R$ 70 milhões por ano e tem 250 funcionários.