As empresas do Midi Tecnológico esperam para 2014 um aumento de receita de aproximadamente 63%, indo de pouco mais de R$ 72,2 milhões para mais de R$ 118 milhões.

É o que aponta uma pesquisa da incubadora com 19 empresas incubadas e de 32 das 73 empresas graduadas.

O grupo também espera neste ano investir R$ 24,75 milhões em P&D, quase o dobro do total investido no ano anterior, que chegou perto de R$ 14,5 milhões. 

As empresas também prevêem aumento no número de colaboradores. Já as empresas ainda em desenvolvimento, que contam com 126 colaboradores, esperam um aumento de mais de 100% na receita, fechando 2014 com quase R$ 13 milhões. 

A divulgação dos dados surge um ano depois do Midi iniciar um processo de mudança no seu modelo de incubação. A incubadora é gerida pela Associação Catarinense de Empresas de Tecnologia (Acate) e mantida pelo Sebrae-SC.

A iniciativa de monitorar o desempenho das empresas faz parte do programa Midi 2.0, que também pretende mostrar a importância das incubadoras como agentes de apoio a novos negócios e viabilizar parcerias estratégicas para promover o desenvolvimento das startups e do setor de tecnologia. 

O levantamento dos indicadores também tem como objetivo ilustrar a alocação de valores criados pelo empreendedorismo, como inovação tecnológica e crescimento econômico. 

Diante do faturamento previsto para 2014 para as incubadas, o Midi Tecnológico está apoiando a elaboração dos planos empresariais das empresas e estabelecendo metas para o biênio 2014/2015. 

"Estamos estruturando os projetos necessários para alcançar esses números, como a execução do portfólio de projetos e o programa de qualificação do empreendedor", conta a coordenadora técnica da entidade, Kamila Bittarello. 

Na avaliação da incubadora, estes números evidenciam a necessidade de apoio público ao setor, por meio de programas e editais para fomentar a inovação.

A coordenadora também destaca o volume de impostos gerados pelas incubadas, o que reforça a importância das pequenas empresas para o desenvolvimento regional e indica retorno dos investimentos recebidos.

Entre as graduadas da incubadora que mais se destacam no mercado estão Pixeon Medical Systems, JExperts e Arvus.

A Pixeon Medical Systems atua no desenvolvimento e comercialização de soluções nacionais em PACS, RIS e LIS, sendo resultante da fusão das empresas Pixeon e Medical Systems. No final do ano passado, recebeu um investimento de R$ 30 milhões da Riverwood Capital, destinado a apoiar a empresa em sua estratégia de expansão.

O aporte foi a primeira parte de um investimento da Riverwood que totalizará R$ 50 milhões até 2016. Com isso, o fundo de capital se tornou sócio minoritário da empresa. O tamanho da fatia adquirida não foi revelado.

A Pixeon, que tem atualmente carteira de cerca de 1,2 mil clientes em todos os estados do Brasil, além de Argentina e Chile, foca suas atividades na criação de softwares de gestão para centros de medicina diagnóstica e laboratórios.

Já a JExperts atua no desenvolvimento de soluções de software e serviços destinados à melhoria das práticas de gestão nas empresas. A companhia já atendeu clientes como Eletrosul, AACD, Ministério Público Federal, Seara e Tam.

A Arvus, especializada em soluções para agricultura de precisão, recebeu, há cerca de um ano, um financiamento de R$ 3,1 milhões do BNDES para projetos de inovação.

A empresa, que em 2012 faturou R$ 10 milhões e projetava chegar a R$ 17 milhõesem 2013, tinha planos de investir o aporte em inovação em ferramentas para os segmentos de grãos, florestal e sucroalcooleiro, especialmente na área de software.

Essa foi a segunda captação de recursos da empresa, que em 2009 recebeu R$ 3,5 milhões em dois aportes do fundo Criatec.

Atualmente, 17 empresas estão incubadas no Midi.

- It Moves It: é responsável pela plataforma de gestão para iates e aeronaves chamada LEADiNiUS, que tem como objetivo resolver questões relacionados a gestão dos ativos de uma maneira fácil e global, centralizando os processos.

- SoftPC: atua no setor de software embarcado e governo eletrônico e é voltada para a projeção, análise e desenvolvimento de sistemas em plataforma web ou internet. 

- Aquarela: coordena e executa projetos de Inteligência Competitiva para a tomada de decisão estratégica de gestores, aumentando o desempenho e a maturidade de cada organização.

- GH3: possui domínio tecnológico especializado no design eletrônico de dispositivos computacionais e na integração lógica digital de componentes de hardware e software.

- ACT Sistemas: oferece soluções para internet, desktop e mobilidade.

- Ciaporte: especializada em ERPs.

- Domotic: conecta produtos a internet para que sejam controlados por meio de smartphones e tablets.

- Inpulse: desenvolve soluções para Engenharia Biomédica por meio de sistemas embarcados, softwares de interface e aplicações web. 

- Intradebook: especializada em software e informações para inserção de micro e pequenas empresas no comércio internacional.

- Lógica E: atua na pesquisa e desenvolvimento de sistemas eletrônicos para empresas dos setores automotivo, agropecuário, máquinas e equipamentos, energia, saúde e telecomunicações.

- Nextt: ajuda clientes a criar produtos e serviços (especialmente softwares) que proporcionam experiências engajantes para seus usuários.

- nKey: trabalha no design e desenvolvimento de aplicativos móveis e atua desde automação de processo para imobiliárias até jogos.

- PowerOpticks: tem como foco desenvolver sistemas de medição de tensão e corrente utilizando tecnologias não convencionais como a óptico-eletrônica.

- Pratical One: presta serviços de tecnologia da informação para o setor de logística, com foco no transporte marítimo nacional e internacional de cargas em contêineres. 

- SensorWeb: atua com soluções próprias para o registro e monitoramento automatizado de temperatura. 

- SIMB Tecnologia: especializada em sistemas para ambientes de missão crítica. 

- µTech: voltada ao desenvolvimento de alta tecnologia na área de telecomunicações.