Cleber Morais, presidente da Bematech.

A Bematech fechou o terceiro trimestre do ano com um crescimento de receita de 1,6% frente ao mesmo período do ano anterior, fechando um total de R$ 112,6 milhões. Na comparação com o resultado do trimestre imediatamente anterior, o crescimento é um pouco maior: 6,8%.

Os resultados ficam abaixo da inflação, que, de acordo com a medição do IBGE, chegou a 8,49% no período de janeiro a outubro de 2015. No trimestre passado, a empresa divulgou resultados "estáveis", o que provavelmente significa abaixo de 1%.

O EBITDA registrou R$ 9,1 milhões em comparação aos R$ 23,8 milhões alcançados no 3T14, resultando uma retração de 61,7%. Nessa ocasião, a empresa não divulgou seu lucro bruto, que havia caído 14% na comparação anual no trimestre passado, chegando a R$ 38 milhões.

Contudo, se ajustado pelas despesas não recorrentes relacionadas ao processo de reorganização societária com a Totvs e ajustes na estrutura, o EBITDA atingiria R$ 14,5 milhões e margem de 12,9%.

“O terceiro trimestre do ano nos mostrou que o cenário macroeconômico segue desafiador, porém, ainda assim, completamos 16 períodos consecutivos de evolução de receita, ou seja, quatro anos de crescimento", ponderou Cleber Morais, presidente da Bematech, olhando para o lado positivo dos números.

Na divulgação de resultados, a empresa de soluções para  varejo, food service e hospitality frisou o crescimento da receita recorrente das verticais definida pela venda de sistema de gestão combinada das chamadas ofertas cross – compostas por equipamentos, soluções fiscais, meios de pagamento e serviços.

A receita dessas verticais somadas totalizou R$ 49,1 milhões, sendo 60,2% proveniente de receita recorrente, uma evolução de 10,9% em relação ao 3T14 e 2,9% sobre o 2T15, enquanto que Canais & Ofertas Cross registrou receita de R$ 63,5 milhões, 2% superior ao 3T14 e significativo aumento de 11,6% quando comparada ao 2T15. 

Essa é a primeira divulgação de resultados da Bematech depois do negócio com a Totvs, uma operação de R$ 550 milhões em dinheiro e ações anunciado em agosto. 

As duas companhias estão crescendo - ou não crescendo - em um ritmo similar. A Totvs, incrementou seu faturamento apenas 2,7% no segundo trimestre deste ano frente ao mesmo período de 2014, atingindo um resultado de R$ 451,4 milhões.

Se comparados com o resultados do trimestre imediatamente anterior, quando a empresa cresceu 6,3% ano a ano, para R$ 459 milhões, a Totvs registrou uma pequena queda de faturamento de 1,6%.

O caminho para promover o crescimento parece passar pela integração maior das ofertas das duas companhias, que não estão perdendo tempo. 

Na semana passada, ambas já lançaram as primeiras ofertas em conjunto para o varejo, direcionadas aos subsegmentos de vestuário, supermercados e atacarejo (ambas companhias trabalham com a mesma agência de comunicação, a RMA, o que deve agilizar o processo de integração da mensagem).

Tudo isso está acontecendo em um momento de transição na Totvs, na qual Rodrigo Kede, ex-IBM, está fechando seus primeiros meses como diretor presidente da Totvs, assumido na metade de junho.

Lidar com a queda nos resultados e integração coma Bematech será um desafio do executivo, que ficou responsável pelo dia a dia da empresa, enquanto o fundador, Laércio Cosentino, assume o cargo de diretor executivo chefe (CEO) durante um “período de transição” de três anos, nos quais se encarregará da estratégia de tecnologia, produto e distribuição.