Cadu Guerra e Pedro Santanna, fundadores da Allugator. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Allugator, plataforma mineira de assinatura de eletrônicos, acaba de receber um aporte de R$ 42 milhões do Sapiensbank, banco especializado em produtos financeiros e investimentos de governança ambiental, social e corporativa (ESG, na sigla em inglês).

Fundada em 2016, a startup tem sede em Belo Horizonte e oferece on-line o aluguel de smartphones, tablets, notebooks e games, entre outros, em um modelo de assinatura com duração de 12 meses.

Desde o ano seguinte, o faturamento da empresa aumentou em mais de 350 vezes e, atualmente, são cerca de cinco mil assinantes.

O Allugator Invest, braço financeiro da startup, foi criado em maio de 2020 para levantar recursos para o financiamento do estoque de iPhones e já havia captado mais de R$ 30 milhões até então. No quadro societário está o investidor Renato Freitas, fundador da 99. 

A nova injeção de capital será destinada à aquisição de 6,8 mil iPhones para aumentar o número de assinaturas, com a expectativa de chegar ao fim de 2022 com 30 mil usuários.

Todos os smartphones adquiridos com o dinheiro do aporte devem ter o impacto causado pelo carbono e plástico neutralizados antes de chegarem às mãos dos clientes.

“A Sapiensbank nos chamou a atenção pela sinergia e o ethos da empresa. Eles também se propõem a mudar a questão do consumo no mundo, trazendo a ideia que dá para ganhar muito dinheiro fazendo a neutralização ambiental do consumo”, conta Cadu Guerra, CEO do Allugator. 

Fundado em 2020, o Sapiensbank opera no modelo peer-to-peer lending e oferece produtos como conta digital, cartão de crédito, transações pix, pagamento de contas, investimentos pré-fixados e empréstimos.