Impressão 3D é a nova ferramenta da indústria.

A Stratasys, fabricante de impressoras e sistemas de impressão em 3D, encerrou o ano passado com prejuízo de US$ 21,6 milhões, o que representa uma queda de 30% frente a 2011. A receita anual teve expansão de 30%, para US$ 359 milhões.

No quarto trimestre, o prejuízo totalizou US$ 3,5 milhões, o que representa uma redução de 44% em relação ao mesmo período do  ano anterior. A receita aumentou 23%, para US$ 96,4 milhões.

No informe de resultado, a companhia destacou a conclusão da fusão com a fabricante de impressoras digitais e 3D Objet, anunciada em dezembro do ano passado, que marcou a chegada da Stratasys no Brasil.

O processo de treinamento conjunto das equipes ainda deve durar 18 meses, e será tratado como principal foco neste ano, quando projeta atingir receita entre US$ 430 milhões e US$ 445 milhões, uma expansão entre 19,7% e 23,0%.

Segundo a empresa, o crescimento da receita deve ser mais forte a partir do segundo semestre, à medida que avançar a integração com a Objet.

Uma das líderes em impressão digital no Brasil é a gaúcha SKA, já trabalhava com a Stratasys, e, com a fusão com a Objet, amplia seu portfólio e as possibilidades da área de negócio.

A meta é que em 2013 a área de impressão 3D represente um quarto do faturamento da empresa, que atua também com soluções de CAD e CAM. O faturamento deve chegar a R$ 40 milhões, uma alta de 50% frente ao ano passado.

Empresas como Embraer, Fiat, Marcopolo e Itautec já usam máquinas vendidas pela SKA.