Siegried Koelln, diretor da SKA.

A SKA, empresa de soluções para manufatura sediada em São Leopoldo, fechou 2014 com um faturamento de R$ 41,6 milhões, uma alta de 30% frente aos resultados do ano anterior.

Com o resultado, a empresa manteve o ritmo de crescimento de 2013 e segue bem encaminhada para meta de chegar a R$ 50 milhões de faturamento até 2015, o que significaria dobrar obtido em 2012.

O ano passado foi especialmente bom em vendas dos softwares da SolidWorks, que são o carro chefe da oferta da SKA.

Recentemente, no SolidWorks World 2015, evento mundial da empresa realizado em Phoenix, nos Estados Unidos, a SKA faturou quase todos os prêmios disponíveis, incluindo o de melhor revenda SolidWorks da América Latina e o de maior pedido colocado na SolidWorks em 2014 em nível mundial.

O primeiro prêmio é recorrente: a SKA foi a maior revenda da América Latina por oito vezes desde 2006, quando a empresa deixou de vender os softwares da Autodesk e passou a vender SolidWorks, em um acordo fechado com a cúpula da empresa.

A única exceção foi 2014, quando a paulista IST Sistemas levou o troféu meses depois de anunciar a aquisição da carteira de clientes da Max3D, outra revenda SolidWorks sediada em São Leopoldo.

Já o prêmio de maior venda é menos comum. “Este prêmio é um grande destaque, normalmente vencido por japoneses, americanos ou europeus”, explica Siegried Koelln, diretor da SKA.

Além da linha SolidWorks, a SKA também trabalha com novas áreas de negócios como impressão 3D – representando a Stratasys no Brasil – e softwares de companhias como a Altium, multinacional australiana especializada em software para design de eletroeletrônicos e a espanhola Lantek, da área de software para empresas de manufaturam entre outros.

A empresa tem 147 colaboradores e escritórios em São Leopoldo, Caxias do Sul, Joinville, Curitiba, São Paulo e Americana.