Décio Krakauer, presidente da Ramo Sistemas.

A Ramo, companhia paulista que é a maior parceira da SAP para a linha de software de gestão para pequenas e médias Business One no Brasil, fechou o ano passado com um faturamento de R$ 42 milhões, um crescimento de 17% em relação a 2017.

Para crescer, a empresa tem apostado em ampliar sua presença regional, com uma atuação verticalizada em segmentos como alimentício, agrobusiness, distribuição de medicamentos, laticínios, distribuição e logística, varejo, projetos e serviços, entre outros. 

Em fevereiro, a Ramo abriu mais uma filial, dessa vez em Fortaleza, no Ceará.

Com isso, a empresa passou a ter presença direta no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Ribeirão Preto, além da sede em São Paulo.

“Essa estratégia tem dado certo, existem muitas regiões brasileiras com grande potencial de adoção do SAP Business One, estamos ampliando nossos atendimentos, seja por meio de filiais, unidades de negócios ou parceiros estratégicos”, afirma Décio Krakauer, presidente da Ramo Sistemas.

Hoje, as vendas diretas da Ramo estão concentradas em São Paulo e as indiretas, que hoje representam cerca de 55% a 60% são realizadas por meio de parceiros e das unidades de negócio em outras regiões do Brasil.

A Ramo acabou um estruturando um ecossistema próprio de vendas para o Business One, atuando na prática como um distribuidor do software no país. 

Hoje, a companhia tem 170 revendas no país do software. Em um nível acima estão 13 das chamadas “unidades de negócio”, parceiros com grande potencial que receberam investimentos da Ramo para ações, mas mantém seus CNPJs.

Em 2017, a Ramo investiu R$ 1,5 milhão na abertura de 12 unidades desse tipo. 

A Ramo tem 500 clientes atendidos e se tornou a referência no mercado de B1, um nicho desafiador para a SAP no país.

Apesar de estar no mercado brasileiro desde 2005, o Business One tem uma base de 6 mil clientes, o que seria respeitável para um player local, mas é pouco para o esforço da SAP até agora e frente ao potencial do mercado.

Ao longo dos anos, a SAP tentou diferentes abordagens para atingir a massa de clientes potenciais, tentando convencer parceiros tradicionais a abrirem braços focados em B1 e até considerando a criação de um modelo através de distribuidoras.

Em 2017, a SAP decidiu dar um gás para o B1 no ano passado, ao decidir colocar o preço do produto no seu patamar mais baixo desde o lançamento no país, em 2006. A Ramo logo respondeu com sua própria oferta promocional.