CORONAVÍRUS

Estados Unidos proíbe entrada de europeus

12/03/2020 10:40

As restrições, que afetam 26 países europeus, fizeram despencar as ações das companhias aéreas.

As novas regras foram decretadas para os próximos 30 dias. Foto: flickr.com/photos/gageskidmore/.

Tamanho da fonte: -A+A

Os Estados Unidos anunciaram amplas restrições de viagem a 26 países europeus por conta do coronavírus.

As medidas foram anunciadas em pronunciamento do presidente, Donald Trump.

De acordo com a BBC News, a proibição se aplica a viajantes de países que fazem parte do acordo de Schengen, que permite a livre circulação no continente. 

Entre os países da região, os únicos não afetados pela medida são os que não fazem parte do acordo: Reino Unido, Irlanda, Croácia, Romênia e Bulgária. Os cidadãos americanos também são isentos.

As novas regras entram em vigor na sexta-feira, 13, à meia-noite do EDT, fuso horário do leste americano, e vale para os próximos 30 dias.

A União Europeia condenou as medidas, que, segundo ela, foram tomadas "unilateralmente e sem consulta", afirmou a BBC.

Ainda segundo a publicação, o presidente americano Donald Trump teria tomado a atitude após ser acusado por não agir frente ao coronavírus.

Segundo o site Valor Econômico, o Departamento de Estado americano veio na sequência e fez um alerta extraordinário para que os americanos reconsiderem viagens ao exterior.

Após a fala do presidente americano, as bolsas europeias despencaram, com o Euro Stoxx 50, índice de bolsa composto por 50 ações da zona europeia, cedendo em 5,5%. 

As principais praças da região também perdiam mais de 5%: Londres (-5,28%), Frankfurt (-5,41%), Paris (-5,16%) e Madri (5,52%). Em Milão, a perda era de 4,8%.

As ações asiáticas também fecharam em forte baixa e a fala também impactou Wall Street, que teve uma abertura considerada fortemente negativa pela publicação econômica.

As ações de companhias aéreas europeias, que já vinham sofrendo com a queda na demanda, recuaram fortemente após o pronunciamento.

Segundo a agência de notícias Reuters, as ações da Air France, que perderam quase 60% de seu valor desde que o surto de coronavírus chegou à Europa, caíam outros 6,29%.

A alemã Lufthansa e a IAG, dona da British Airways e da Iberia, caía 7,5%.

Já as ações da Norwegian Air Shuttle, que opera voos transatlânticos, despencavam mais de 20%.

Ainda de acordo com a Reuters, a rota transatlântica é considerada o principal impulsionador de lucro dessa companhias, representando entre 20% a 30% de suas receitas.

Segundo o reporte mais recente da Organização Mundial da Saúde (OMS), a pandemia do coronavírus tem um total 118.322 casos confirmados globalmente, em 113 países.

Nos Estados Unidos, 696 já foram confirmados, com 25 mortes. Na Europa, o país com a situação mais crítica é a Itália, com mais de 10 mil casos confirmados, seguida pela França (1774), Espanha (1639) e Alemanha (1296).

Veja também

PERSPECTIVA
O Brasil descobre a Tesla

Quais as chances reais por trás da falação em torno da possível vinda da Tesla para o país?

TRAVOU
AWS paralisa contrato da Microsoft no Pentágono

Segue a briga das duas gigantes pela mega licitação de nuvem no valor de US$ 10 bilhões.

RESPOSTA
China vai banir PCs e softwares estrangeiros

Todos os órgãos públicos deverão cumprir a determinação até 2022.

TRANSFORMAÇÃO
Morre a indústria automobilística, nasce a mobilidade como indústria

Sai de cena a fabricação de carros, entra no lugar a criação de plataformas de mobilidade.

NUVEM
Microsoft leva contrato de US$ 10 bilhões do Pentágono

Decepção para a Oracle, que conseguiu derrubar a AWS, mas não levar o cliente.

TROCA
Amazon desliga servidores Oracle

Migração envolveu 75 petabytes de dados, armazenados em 7,5 mil bancos de dados.

BRIGA
Oracle banca entidade contra Amazon

Entidade crítica da Amazon foi financiada às escondidas com dinheiro da Oracle.

NUVEM
Pentágono trava contrato. Rasteira na AWS?

Ordem partiu do presidente Donald Trump, que não é lá muito amigo da Amazon.

OPA
Trump pode dar rasteira na AWS

Presidente americano se interessou pelo mega contrato de US$ 10 bi Pentágono. 

BAN
Futuro da Huawei com Android é incerto

A empresa garantiu que continuará a fornecer atualizações de segurança e suporte para a linha atual de smartphones.