Ele sempre acreditou que daria certo. Foto: flickr.com/photos/xdan10

Tamanho da fonte: -A+A

No que num jogo de futebol seriam os 45 do segundo tempo, as operadoras de telecomunicações garantiram que a cobertura de telefonia não seja um fiasco dentro dos estádios na Copa das Confederações.

O Sinditelebrasil, sindicato que representa as empresas, divulgou nesta sexta-feira, 12, que Oi, Claro, Vivo, TIM e Nextel fecharam acordo com as administrações dos seis estádios que receberão os jogos da competição preliminar da Copa do Mundo para oferecer cobertura 4G indoor nos locais.

As negociações, que se iniciaram em meados do ano passado, foram concluídas com o acordo firmado com o Mineirão, em Belo Horizonte.

Junto com o Maracanã, no Rio de Janeiro e Fonte Nova, em Salvador, o estádio Mineirão era um dos reticentes em fechar acordos, que já haviam sido fechados antes em Brasília, Fortaleza e Recife.

Até o começo de março, não estava claro que a situação terminaria bem. Segundo relatou o site especializado Mobile Time na época, citando como fonte o diretor de tecnologia e planejamento da Telefônica/Vivo, Leonardo Capdeville, as operadoras haviam desistido de fechar os contratos.

No que talvez – ou não, vai saber - fosse um blefe para forçar a aceitação das suas condições, Capdeville disse que as  negociações travaram por “exigências absurdas”, como patrocínios dos clubes de futebol ou custos abusivos de aluguel.

Sem a cobertura indoor, os estádios serão assistidos apenas pela cobertura das antenas externas, o que, como sabe qualquer um que já tentou usar um celular em um estádio lotado, significa nenhum sinal.

“Todo esse esforço está sendo possível com a colaboração dos administradores dos estádios que entenderam a importância da estrutura indoor para oferecer ao público um serviço de qualidade e cobertura adequada de sinais”, afirma o Sinditelebrasil em nota, num bonito gesto de reconciliação.

COMO FUNCIONA
Os equipamentos das prestadoras ficarão instalados em uma sala de aproximadamente 200 metros quadrados, no subsolo dos estádios, por exemplo, e dali partirá uma rede compartilhada de fibra óptica que atenderá aos clientes de cinco prestadoras de serviços de telefonia móvel.

Faz parte ainda do projeto de infraestrutura a instalação de antenas em pontos estratégicos do estádio, permitindo uma cobertura total do ambiente.

A estrutura indoor não consta das obrigações do leilão de 4G, mas dará mais "robustez ao sinal", nas palavras do Sinditelebrasil.

A infraestrutura atenderá não só aos celulares que estiverem funcionando com a nova tecnologia 4G, mas também aos celulares 3G e de 2,5G.