IMPOSTOS

Bolsonaro: desoneração vai seguir

12/11/2021 05:36

Presidente promete continuidade de medida que beneficia empresas de TI.

Bolsonaro: "No tocante a questão da desoneração da folha aí, vamos prorrogar". Foto: Alan Santos/PR.

Tamanho da fonte: -A+A

A desoneração da folha de pagamentos, uma medida que beneficia empresas de TI, vai ser porrogada por mais dois anos, até o final de 2023.

Pelo menos, foi o que garantiu o presidente Jair Bolsonaro nesta quinta-feira, 11, durante a sua tradicional live nas redes sociais.

“Resolvemos prorrogar por mais dois anos a desoneração da folha. Isso tem a ver com manutenção de emprego. Quem se eleger em 2022 vai ter 2023 todinho para resolver essa questão”, resumiu Bolsonaro.

Ainda em setembro 2020, quando o governo estava mais alinhado a uma estratégia de reforma tributária, Bolsonaro vetou a prorrogação da desoneração da folha. 

O presidente não chegou a dizer como essa questão aí será prorrogada, o que pode ser feito por decreto ou através da edição de medida provisória, a ser votada pelo Congresso Nacional.

O como a medida será prorrogada, no entanto, é o de menos. O importante é que o clima político parece amplamente favorável a gastos, e desfavorável a medidas de aumento de arrecadação.

Bolsonaro fez o anúncio após uma reunião na qual participou o ministro da Economia, Paulo Guedes, que inicialmente era contrário à continuidade da desoneração, depois pediu a criação de outros impostos para compensar, e agora parece ter se conformado com nem uma coisa nem a outra.

No final das contas, com um custo estimado de R$ 8 bilhões anuais, desoneração é café pequeno frente as medidas aprovadas pelo Congresso nesta semana, no que está sendo chamado de "abertura de espaço no orçamento".

Na prática, o legislativo gerou R$ 91 bilhões em recursos ampliando os limites do teto de gastos e pedalando o pagamento de precatórios. 

O anúncio do governo ocorre um dia após o projeto de lei que prevê a prorrogação até 2026 receber aprovação do relator na Comissão Especial da Câmara dos Deputados, o que sinaliza que Bolsonaro resolveu dar uma boa notícia ele mesmo, no lugar de esperar um fato consumado.

A desoneração beneficia hoje 17 setores econômicos, permitindo a troca da contribuição previdenciária, de 20% sobre os salários dos empregados, por uma alíquota sobre a receita bruta, que varia de 1% a 4,5% (o setor de TI paga 4,5%). 

O benefício se encerraria em dezembro deste ano, e é defendido por empresas da TI, operadoras e call centers, que garantem que a volta ao modo tradicional geraria demissões em massa.

Colocada em curso no governo Dilma Rousseff em 2011 para 56 setores da economia, a desoneração da folha acaba de completar uma década. 

Críticas contra a medida, que já eram feitas na presidência de Dilma, afirmam que não é possível estabelecer o retorno da mesma.

Veja também

BRIGA
Guedes chama Pontes de burro

Ministro da Economia partiu para cima durante reunião com congressistas.

CORTE
Serpro faz mais um PDV

Estatal de TI está mudando o perfil do seu quadro e da sua atuação nos últimos anos.

LEILÃO
Huawei: “segurança é uma questão técnica, não política”

Diretor de segurança da chinesa e membros do governo falaram sobre a polêmica do 5G.

AGULHAS
IBM: vacina é obrigatória nos EUA

Funcionários devem se vacinar até dezembro ou entrar em licença não remunerada.

REVOLUCIÓN
Venezuela cria o bolívar digital

Governo corta 6 zeros da moeda e investe em digitalização de dinheiro sem valor.

SEGURANÇA
Prefeituras sofrem “epidemia” de ataques cibernéticos

Mais de 30 municípios registraram incidentes desde o final do ano passado.