Os gastos globais com IoT chegarão a US$ 1,29 trilhão em 2020. Foto: Pexels.

Os gastos globais com IoT terão uma taxa de crescimento anual de 15,6% entre 2015 e 2020, atingindo US$ 1,29 trilhão em 2020, afirma o IDC.

Entre as verticais que devem fazer maior investimento em IoT estão indústria (US$ 178 bilhões), transporte (US$ 78 bilhões) e serviços públicos (US$ 69 bilhões). 

As compras de IoT do consumidor, o quarto maior segmento de mercado em 2016, se tornarão o terceiro maior segmento até 2020. 

Enquanto isso, a área de Cross-Industry IoT, que representa casos comuns a todos os setores, como veículos conectados e edifícios inteligentes, será o principal alvos de investimento ao longo dos próximos cinco anos. 

Indústrias focadas em seguros, consumidores, saúde e varejo também verão o crescimento mais rápido de gastos em internet das coisas.

Com a posição de principal indústria de IoT, a área de manufatura teve o maior investimento (US$ 102,5 bilhões) em 2016. 

O segundo maior caso de uso é o de monitoramento de carga (US$ 55,9 bilhões), que impulsionará grande parte dos gastos de IoT na indústria de transporte. 

No setor de serviços públicos, os investimentos combinados em smart grid para eletricidade e gás totalizaram US$ 57,8 bilhões em 2016.

Os investimentos de automação residencial por parte dos consumidores vão mais do que dobrar durante o período de previsão do estudo, superando US$ 63 bilhões até 2020. Na área de seguros, o destaque será para o monitoramento remoto de saúde.

Empresas de varejo já estão investindo em uma variedade de casos de uso, incluindo operações de omnichannel e sinalização digital. 

Do ponto de vista tecnológico, o hardware continuará sendo a maior categoria de gastos durante o período estudada, seguido por serviços, software e conectividade. 

Módulos e sensores, que conectam pontos finais a redes, irão dominar as compras de hardware, enquanto o software de aplicativos representará mais de metade de todos os investimentos em software IoT.