Buser quer ser um novo player de transporte rodoviário. Foto: Divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Buser, startup mineira especializada em viagens de ônibus, vai implementar o software de gestão S/4 Hana da SAP, com consultoria da espanhola Seidor.

O ERP vai rodar em uma nuvem privada. A startup, líder no seu nicho, vai adotar também o Concur, software na SAP para gestão de despesas e viagens.

A Buser aderiu ao Rise with SAP, um programa da multinacional alemã focado justamente em promover o S/4.

Lançado no final de janeiro, o Rise with SAP envolve a migração para a nuvem do ERP, com a SAP ou parceiros selecionados assumindo suporte, serviços gerenciados e infraestrutura.

Os clientes podem ainda manter suas licenças on premise e os contratos de manutenção, cobrados no formato de subscrição, a forma tradicional de comprar software. 

No Brasil desde 2013, a Seidor tem filiais em São Paulo, São José dos Campos, Ribeirão Preto, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Vila Velha, Goiânia e Porto Alegre.

A Seidor fechou 2018 com um faturamento de R$ 106 milhões no Brasil, um aumento de 20% em relação a 2017.  

Não foram abertos dados do país para 2019, mas em nível mundial o faturamento foi de US$ 520 milhões, uma alta de 13%. A empresa tem cinco mil funcionários em 37 países.

A Seidor tem projetos em S/4, C/4, Ariba e Successfactors e tem uma base importante de implementação do ERP para pequenas e médias Business One, totalizando mais de 200 entregas no país.

Fundada em 2017 pelos mineiros Marcelo Abritta e Marcelo Vasconcellos, a Buser é uma plataforma que conecta pessoas interessadas na mesma viagem. Juntas, elas podem fretar um ônibus com empresas de transporte executivo especializadas. 

Segundo a startup, isso permite que as viagens sejam até 60% mais baratas que as realizadas por empresas rodoviárias convencionais.

No final de 2020, a startup agregou à sua plataforma a oferta de viagens de ônibus em parceria com viações que operam nas rodoviárias, tornando-se também um marketplace. 

A possibilidade tem atraído usuários e investidores. A Buser fechou o ano com seis milhões de clientes cadastrados na plataforma. 

O resultado acontece após o período de pico de viagens pela startup, que chegou a embarcar quase 400 mil passageiros entre 23 de dezembro de 2021 e 2 de janeiro de 2022, um período tradicionalmente movimentado.

O total é mais do que o dobro alcançado no mesmo período de 2020, e quase dez vezes maior do que nos mesmos dias de 2019, antes do início da pandemia.

A empresa também bateu novo recorde de viajantes transportados em um mês: foram 870 mil pessoas viajando pela plataforma em dezembro, um aumento de 25% sobre o movimento em novembro. 

Investidores estão apostando no negócio. No ano passado, a Buser captou R$ 700 milhões em rodada série C liderada pelo LGT Lightrock com participação dos fundos Softbank, Monashees, Valor Capital Group, Globo Ventures, Canary e Iporanga Ventures.

Com a nova captação, a Buser anunciou um plano de investimento de R$ 1 bilhão no Brasil para os próximos dois anos, apostando no reaquecimento do mercado de turismo interno no pós-pandemia. A expectativa da companhia é crescer 10 vezes até o final de 2022.

SAP EM ALTA COM STARTUPS

A SAP anda em alta com startups brasileiras no setor de tecnologia. 

A Zenvia, uma empresa gaúcha de tecnologia em alta depois de ter aberto capital na Nasdaq, está trocando o seu sistema de gestão da Totvs pelo S/4 Hana da SAP rodando na nuvem.

A empresa, que atua com plataformas de comunicação por SMS e chatbots,  também aderiu ao Rise With SAP.

É entre startups de tecnologia menores, porém não menos promissoras, que a SAP vem emplacando mais clientes, com o seu software para pequenas e médias empresas, o Business One.

Algumas empresas de tecnologia que implementaram B1 nos últimos anos incluem a Moss, plataforma mundial de compra de créditos de carbono; a Insole, uma fintech pernambucana que oferece financiamento para a instalação de placas solares; a Rentcars.com, plataforma online de aluguel de carros; o Movile, grupo dono de marcas como iFood, Zoop e Sympla; a Gerdau Next, área de novos negócios da siderúrgica brasileira e o Traders Club, uma plataforma de conteúdo para investidores em alta no Brasil.

A SAP trouxe o B1 para o Brasil em 2005. Hoje são 150 empresas trabalhando com implementação e 7,5 mil clientes no Brasil, o que é uma cifra respeitável em um universo de 70 mil clientes em todo o mundo.

Para startups com planos de crescimento exponencial, o B1 traz uma solução de gestão com a qualidade e o glamour da grife SAP, a empresa que vende as soluções usadas pelas grandes corporações nas quais as startups visam se converter.

Nem todos vão chegar lá, mas a SAP pode estar ganhando agora algumas grandes contas no futuro.