O problema mais relatado foi phishing, em 55% dos casos. Foto: Pixabay.

O crescimento do trabalho remoto por conta da pandemia do coronavírus, assim como a evidência do assunto em notícias, tem aumentado riscos de segurança em TI.

De acordo com o site Info Security, uma pesquisa da Check Point revelou que 71% dos profissionais de segurança relataram um aumento em ameaças ou ataques desde surgimento do vírus.

O problema mais relatado foi phishing, em 55% dos casos. Na sequência, sites maliciosos (32%), malware (28%) e ransomware (19%) foram citados como as principais ameaças.

A pesquisa contou com mais de 400 entrevistados de organizações globais de grande porte  para entender melhor os desafios atuais das equipes de segurança.

Segundo o estudo, as ameaças foram agravadas pelos desafios do trabalho doméstico, com 95% dos entrevistados alegando estar sob novas pressões.

A principal delas foi fornecer acesso remoto seguro aos funcionários (56%) e soluções de acesso remoto escalonáveis ​​(55%).

Quase metade (47%) dos entrevistados se queixou de que os trabalhadores domésticos que usavam soluções de TI ocultas representavam um grande problema.

Ainda de acordo com o site, esses desafios só devem crescer.

Cerca de 61% dos profissionais de segurança disseram estar preocupados com os riscos envolvidos na realização de mudanças rápidas para permitir o trabalho remoto.

Mais da metade (55%) achou que a segurança do acesso remoto precisava ser aprimorada.

Outros 49% disseram estar preocupados com a necessidade de aumentar a segurança dos endpoints para os trabalhadores domésticos.

“Os cibercriminosos sempre buscarão capitalizar as últimas tendências para tentar aumentar as taxas de sucesso dos ataques e a pandemia de coronavírus criou uma tempestade perfeita de um evento de notícias global juntamente com mudanças drásticas nas práticas de trabalho e nas tecnologias usadas pelas organizações”, explicou Rafi Kretchmer, chefe de marketing de produtos da Check Point, ao Info Security.

Com esse cenário, houve um aumento considerado significativo na superfície de ataque de muitas organizações, o que estaria comprometendo as suas posturas de segurança.

O volume de ameaças on-line detectadas teriam aumentado 37% em março, enquanto se observou um aumento de 600% nos ataques de phishing entre o final de fevereiro e o final de março.