RITMO

Meta cresce 56%, mesmo com pandemia

13/07/2020 13:14

Companhia manteve ritmo acelerado de crescimento e ainda contratou 432 profissionais.

Telmo Costa, CEO da Meta.

Tamanho da fonte: -A+A

A Meta manteve um ritmo de crescimento acelerado no primeiro semestre: o faturamento da empresa aumentou 56% na relação com o mesmo período do ano passado, agregando 432 novos profissionais, um aumento de 36% na equipe, que agora chega a 1,2 mil pessoas.

Os resultados são chamativos, tendo em conta que os meses de março, abril, maio e junho foram marcados por incertezas relacionadas à epidemia do coronavírus, que paralisaram muitos dos projetos de grande porte nos quais a Meta costuma participar.

De acordo com Telmo Costa, CEO da Meta, a chave para manter a empresa crescendo foi a metodologia de projetos remotos com a qual a companhia já vem trabalhando há três anos.

Assim, no caso dos projetos de implantação do sistema de gestão S/4 Hana da SAP, um dos pontos fortes do portfólio da Meta, a companhia conseguiu tanto colocar clientes para rodar como fechar novos projetos. 

Ao todo, desde o começo do ano a Meta entregou ou está trabalhando em 10 diferentes projetos com S/4 Hana.

“Projetos a distância sempre foram parte da nossa estratégia, visando reduzir os custos com deslocamentos, por exemplo”, explica Costa. “No entanto, muitas vezes prevalecia a opção do cliente por ter o projeto dentro de casa”, afirma o empresário.

Fundada nos anos 90 em São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre, a Meta tem um longo histórico de projetos a distância, uma aposta que foi reforçada em 2013 com a abertura de um centro de excelência em tecnologia SAP no Recanto Maestro, no interior do Rio Grande do Sul.

Outro ponto favorável para a Meta foi ter decidido colocar os funcionários em home office no dia 10 de março, relativamente cedo em relação a outras companhias de software, o que permitiu à companhia fazer a transição de maneira tranquila.

Os resultados do primeiro semestre não acontecem no vácuo. No final de 2017, a Meta estabeleceu o objetivo de duplicar de tamanho nos três anos seguintes, um plano no qual investiu R$ 24 milhões em treinamento, novas operações e a criação de ofertas especiais, como por exemplo um período de testes para o S/4.

Desde então, a empresa vem em alta, tendo crescido 25% em 2018 e 49% em 2019. Para o período entre 2021 e 2023 a ideia é duplicar de tamanho outra vez. A Meta não abre números, mas é fácil supor que, caso obtida, a nova duplicação colocaria a empresa entre as maiores do país na área de tecnologia.

Costa não dá muitas pistas de qual será o foco da estratégia daqui para frente, mas a Meta parece estar preparando uma expansão internacional.

Com escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, a Meta acaba de abrir uma unidade internacional em Waterloo, cidade na região metropolitana de Toronto que é um hub de startups, centros de pesquisa e universidades de ponta.

Apesar de não aparecer tanto quanto os hubs americanos, a região entre Toronto e Waterloo concentra o que é considerado o terceiro maior ecossistema de inovação da América do Norte, ficando atrás apenas do Vale do Silício e de Nova Iorque, com destaque em inteligência artificial, tecnologia financeira e robótica.

“Além de acompanharmos de perto o que está sendo desenvolvido de mais moderno e avançado, trata-se de um ponto estratégico para acesso aos mercados americanos e europeus, facilitando o atendimento dos nossos clientes globais”, afirma Costa.

Apesar de ter um terço da população, o Canadá tem um PIB equivalente ao do Brasil e a Meta já atende 28 clientes com presença na América do Norte, dos quais ficará mais próxima com o centro canadense, que inicia com 10 funcionários. 

De acordo com Costa, o centro canadense também serve para “oxigenar” a equipe, com a possibilidade enviar profissionais para o país por períodos determinados. 

A Meta tem investido pesado num grupo de 70 funcionários que formam uma camada média de gestão em contato próximo com a liderança da empresa.

No portfólio da Meta estão projetos de transformação digital, consultoria estratégica, células de desenvolvimento de software, sustentação de aplicações, BPO, bem como licenciamento e implantação de SAP.

Veja também

CARROS
Renault aposta na nuvem do Google

Montadora vai usar tecnologia do Google em 22 plantas em todo o mundo. 

ALIMENTAÇÃO
Sapore troca Google Suite por Microsoft 365

Através da SoftwareOne, empresa contratou 2,6 mil licenças para Brasil, México e Colômbia.

DADOS
Qintess melhora integração do SAP da Copel

Empresa fez melhorias em 200 tópicos visando melhor comunicação com TCE-PR.

AUTOMAÇÃO
IBM compra empresa de RPA brasileira

Adquirida é a WDG Automation, de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo.

CLIMA
Ipiranga ouve colaboradores com Qualtrics

Além dos funcionários essencialmente presenciais, empresa tem cerca de 1,5 mil em home office.

ERP
ASUG tem grupo de trabalho para Business One

Entidade quer fomentar também a participação de pequenas empresas clientes do produto.

PLANTAS
Sementes Jotabasso adota S/4 Hana da SAP

Projeto foi entregue pela SPRO consultoria paranaense com histórico no agronegócio.

AGRO
BRF: comunicação com produtor por app

Aplicativo acelera a troca de informação entre a empresa e os produtores rurais.

AGRO
Tracan adota S/4 Hana com Focus IT

Projeto vai agilizar a manutenção de máquinas da maior concessionária da marca Case IH.

GESTÃO
Solinftec adota B1 com Seidor

Startup de tecnologia agrícola está em alta, tendo captado R$ 230 milhões em fevereiro.

AGRO
Agrária organiza cadastros com Integra

Cooperativa é uma das maiores do país. Projeto funciona integrado ao SAP.

ENERGIA
KF faz grande projeto SAP com Engineering

Orçamento é de R$ 12 milhões em ERP e módulos específicos para energia e fiscal.