A chinesa Lenovo vai cortar 5% de sua força de trabalho. Foto: Julia Kuznetsova/Shutterstock.

A chinesa Lenovo, maior fabricante de PCs no mundo, vai cortar 5% de sua força de trabalho, o que corresponde a 3,2 mil profissionais. A intenção da companhia é reduzir os custos depois de uma queda acentuada nas vendas em seu país-sede.

As vendas na China no segundo trimestre caíram 16% na comparação ano-a-ano, ficando em US$ 3,2 bilhões. O valor representa 30% das vendas mundiais da Lenovo no período.

A empresa prevê que os cortes podem gerar uma economia de US$ 650 milhões no segundo semestre de 2015, e cerca de US$ 1,35 bilhões em uma base anual, segundo o FinancialTimes.

No último trimestre, o lucro da companhia ficou em US$ 105 milhões, uma queda de 49% em relação aos US$ 214 milhões do mesmo período do ano passado.

Segundo a empresa, o resultado está relacionado ao retrocesso das vendas de computadores e tablets e a crescente concorrência no mercado dos smartphones.

A Lenovo também comunicou que vai reestruturar o sua unidade de dispositivos móveis, colocando a Motorola em um papel de liderança para a concepção, desenvolvimento e fabricação de smartphones.

No geral, a Lenovo vendeu 16,2 milhões de smartphones no trimestre, um aumento de 2,3% na comparação com o ano anterior. Mesmo assim, a sua quota do mercado mundial de smartphones encolheu 0,5 ponto percentual, para 4,7%, ficando em quinto lugar.

A contribuição da Motorola para embarques de smartphones da Lenovo foi de 5,9 milhões de unidades, um declínio de 31%.