Europa quer bombar big data. Foto: divulgação.

A União Europeia está disposta a dar um grande empurrão nas tecnologias locais de Big Data, com a criação de um consórcio tecnológico especializado, que receberá investimentos de € 2 bilhões de iniciativa privada, mais € 500 milhões do poder público.

A parceria pública-privada (PPP), chamada de Big Data Value Association, envolve empresas grandes de TI como Atos, IBM, Nokia Solutions and Networks, Orange, SAP, e Siemens. Além disso, outros órgãos públicos e de pesquisa fazem parte da iniciativa, que iniciará em janeiro do próximo ano.

Segundo dados do site britânico IT World, a parceria investirá em pesquisa e inovação em dig data para verticais como energia, manufatura e saúde. O plano é desenvolver serviços como medicina personalizada, análises preditivas de mercado e previsão de colheitas agrícolas, por exemplo.

Para Neelie Kroes, vice-presidente da Comissão Europeia, órgão executivo da UE, o investimento dará um impulso para a indústria de big data no continente. De acordo com ela, o dinheiro é necessário para que a companhias sejam capazes de processar os 1,7 milhões de gigabytes de dados gerados a cada minuto em todo o mundo.

"A Europa está correndo atrás. Praticamente toda grande empresa de big data é dos Estados Unidos, nenhuma da Europa. Isso tem que mudar e é por isso que estamos colocando dinheiro público na mesa", disparou.

Segundo analistas, o consórcio, composto totalmente por 25 empresas, tem uma missão crítica a cumprir em relação ao varejo, um dos maiores do mundo, mas ainda incipiente na parte de coleta de dados de clientes via big data.

A Comissão Europeia trabalhará próxima aos integrantes do consórcio para tratar questões como segurança, privacidade e análise de risco, assim como dando orientações em ferramentas e estratégias de engajamento.

O acordo faz parte de uma série de iniciativas da Comissão Europeia para acelerar o cenário tecnológico da região. Em julho, a entidade firmou parceria com empresas do setor eletroeletrônico, em um investimento de € 5 bilhões.