A Polícia Civil do RS cumpriu mandados de busca e apreensão como parte da operação Spy II. Foto: Divulgação.

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul cumpriu mandados de busca e apreensão em Porto Alegre, Cachoeirinha e no estado de Santa Catarina na quarta-feira, 13, como parte da operação Spy II. A iniciativa busca investigar um grupo que acessava o sistema de segurança de uma empresa de telefona para furtar dados de clientes.

Segundo a polícia, os invasores repassavam os dados para os call centers e revendiam para grupos concorrentes.

A delegada titular da DRCP/DEIC, Sílvia Coccaro de Souza, relata que foi feito um levantamento através de escutas e quebra de dados durante um ano para investigar 20 os envolvidos.

Os principais alvos da ação policial foram nove call centers e um escritório de contabilidade.

A polícia não divulgou o nome das empresas de telefonia e call centers envolvidos no caso. Os crimes investigados são estelionato, concorrência desleal, invasão de dispositivos cibernéticos, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Durante a ação, os policiais apreenderam computadores, HDs, pendrives, celulares, veículos, modens e documentos relacionados ao esquema.

A RBS afirma que a empresa de telefonia teve prejuízo superior a R$ 40 milhões em um ano devido ao acesso ilegal aos dados de seu banco de dados.

O trabalho de investigação começou com a operação Spy I, em dezembro de 2014, quando até um call center fictício foi montado pelos criminosos. Depois, houve quebra de sigilo bancário e telefônico dos suspeitos. A empresa de telefonia lesada auxiliou no trabalho policial.