TikTok é uma rede social de vídeos.

A Oracle aparentemente venceu a briga com a Microsoft na disputa pelas operações nos Estados Unidos da rede social de vídeos chinesa TikTok. O que isso significa na prática, no entanto, não está claro.

Neste domingo, 13, a Microsoft divulgou uma nota dizendo que a sua oferta havia sido recusada pela ByteDance, dona do TikTok. 

De acordo com o New York Times, a ByteDance também não aceitou a oferta da Oracle, mas nomeou a empresa como sua “parceira de tecnologia”.

Para quem não sabe, o Tik Tok é a rede social em alta no momento, com 2,3 bilhões de downloads e um valor de mercado estimado entre US$ 30 bilhões e US$ 50 bilhões.

Ao que parece, a ByteDance está tentando uma solução intermediária, que não envolva a venda da operação.

A Oracle poderia rodar a versão americana do TikTok nos data centers da empresa de maneira independente, ajudando a diminuir os temores de que a aplicação possa ser usada pelo governo chinês como um instrumento de espionagem.

Para a Oracle, um contrato desse tipo teria a vantagem de que a empresa permaneceria no terreno que conhece, no lugar de se aventurar com a administração de uma rede social, uma área na qual não tem nenhuma experiência.

A empresa só teria que construir uma infraestrutura tecnológica que aplacasse os temores do governo americano.

Isso não é fácil, mas sem dúvida ajuda o fato da Oracle ter uma relação próxima com Donald Trump, que inclusive se manifestou favoravelmente à oferta da Oracle no passado. Os investidores americanos no TikTok também estão do lado da Oracle.

O fundador da Oracle, Larry Ellisson, é um dos poucos apoiadores abertos do presidente americano no Vale do Silício. A CEO, Safra Catz, chegou a trabalhar no time de transição da administração Trump.