Adriana Aroulho, presidente da SAP Brasil. Foto: divulgação.

A SAP Brasil anunciou a criação, junto com a Boomera, empresa especializada na gestão de resíduos, de uma plataforma que conecta indústrias e cooperativas para reaproveitamento do lixo nos processos de produção — o que é conhecido como "economia circular".

Por enquanto, a empresa ainda está desenvolvendo um projeto piloto e não abriu maiores detalhes sobre o modelo de negócio, que deve ser mais tangível somente no início de 2021, quando a ferramenta começa a funcionar.

“À medida que essa iniciativa cresce, a adoção e consumo da nossa plataforma também vai crescer, então essa é uma visão. Ela pode desdobrar em alguns negócios, isso faz parte do jogo, mas o nosso propósito aqui é endereçar os nossos objetivos de sustentabilidade. Não temos metas financeiras estabelecidas para essa iniciativa”, garantiu Adriana Aroulho, presidente da SAP Brasil.

O que se sabe é que a plataforma deve ter a lógica de um marketplace, unindo empresas de diferentes setores a centenas de recicladoras, cooperativas e coletoras para a compra e venda de materiais.

Para facilitar a compra e venda de acordo com as necessidades das empresas, ela deve ter recursos de roteirização de coleta inteligente, rastreabilidade dos resíduos, certificação de processos e ações que permitam o engajamento do ecossistema de maneira confiável.

Segundo a SAP, foi a Boomera que procurou a empresa para o projeto por perceber que as duas companhias tinham boa parte dos clientes em comum. O uso da nova ferramenta, no entanto, não deve ficar limitado a clientes.

“Essa parceria vai dar aos milhares de clientes da SAP, e também não clientes, um forte aliado para que suas áreas de inovação busquem cada vez mais desenvolver produtos que sejam competitivos no mercado e ao mesmo tempo mais sustentáveis”, ressalta Adriana Aroulho, presidente da SAP Brasil.

O projeto está apoiado na metodologia Circular Pack, desenvolvida pela Boomera e que já atende empresas de diferentes portes e setores para a execução de uma política de reinserção de resíduos no ciclo econômico.

“Nos unir a um dos maiores provedores de soluções digitais do mundo trará conhecimentos e expertise de cada empresa numa solução única, escalável e capaz de atender às necessidades crescentes do mercado. É uma inovação dentro do ecossistema de gestão de resíduos, tão necessária nos dias de hoje”, destaca Guilherme Brammer, CEO da Boomera.

De acordo com a gigante alemã, sua presença em 70% das maiores companhias do país vai facilitar a integração entre as partes, num ambiente que hoje ainda opera com bases de dados desconectadas.

Fundada em 2011, a Boomera atua na transformação do lixo em linha de produtos através de tecnologia, meio acadêmico e design, além de cooperativas de catadores.

Hoje a empresa conta com uma fábrica de lonas plásticas, produzidas com o material reciclado, para uso em campos agrícolas e em obras e construções. Além disso, em breve vai começar a produzir resina PCR em uma nova fábrica.