Radamés Martini, diretor-executivo do SocialBase. Foto: divulgação.

A startup catarinense SocialBase foi selecionada para participar do programa de aceleração da Plug and Play Tech Center, o que lhe renderá um perído de três meses de atuação no Vale do Silício.

O programa, que já investiu em negócios como Paypal, é voltado à aproximação das companhias com investidores e parceiros, e para tanto conta com a participaçãod e fundos como Accel Partners, Sequoia Capital e Menlo Ventures, participantes de empresas como Facebook, Groupon, Instagram e Skype.

A SocialBase desenvolve um produto de rede social corporativa que, segundo o gerente de Relações Internacionais da Plug and Play, Fernando Gouveia, tem bastante campo para crescer.

“Selecionamos a SocialBase por razões claras: eles contam com uma equipe forte, um produto que vem crescendo no número de clientes e que é bem adaptável às diferentes formas de interação e colaboração nas empresas”, explica Gouveia.

Já o diretor executivo da SocialBase, Radamés Martini, acredita que o network que será feito durante a aceleração irá abrir portas não só para a SocialBase, mas para Santa Catarina como um todo.

“A Plug and Play atua como investidora em diversas empresas. É uma oportunidade única”, comenta ele.

A oportunidade para participação no programa surgiu em setembro, quando a SocialBase venceu a etapa estadual da 7ª edição do Desafio Brasil, competição de startups de base tecnológica promovida pela FGV, Sebrae e MDIC.

Segundo o COO da GVcepe - FGV, Adalberto Brandão, é a primeira vez que o Desafio Brasil concede esta oportunidade como prêmio.

“Pretendemos expandir e internacionalizar a atuação, começando pela América Latina e seguindo para EUA e Europa”, afirma o diretor executivo da SocialBase.

Segundo ele, a rede social corporativa desenvolvida pela organização já está consolidada e em uso por mais de 1,4 mil empresas.

Durante a primeira semana do programa, a SocialBase irá participar de um workshop com duração de três dias para introduzir os empreendedores no ambiente de negócios do Vale do Silício.

A atividade abordará temas como processo de investimento, estudo de casos de startups e implicações legais e contábeis, entre outros.

“Também teremos a oportunidade de criar uma rede de contatos com empresários da comunidade do Vale do Silício, que tiveram sucesso em outros negóciosde base tecnológica”, afirma Martini. “As startups também terão acesso a recursos estratégicos da Plug and Play, inclusive oportunidade para levantamento de investimento externo”, completa.