A adoção do voto à distância é facultativa neste ano. Foto: Luiz Prado/Divulgação.

A Senior Solution, focada no desenvolvimento de softwares para o setor financeiro, adotou o voto a distância em assembleias gerais. A solução que possibilita o voto foi desenvolvida pela BM&FBOVESPA.

A companhia é a primeira a divulgar a adoção voluntária do mecanismo, regulamentado pela Comissão de Valores Mobiliários no ano anterior para ampliar a participação de investidores nas decisões corporativas das companhias abertas.

De acordo com Thiago Rocha, diretor de Relações com Investidores da Senior Solution, a regulamentação do voto à distância atendeu às demandas das companhias e dos investidores. 

“O aumento da dispersão acionária nas companhias com controle difuso demanda um trabalho ativo para superar o quórum de instalação das assembleias, por conta da dificuldade de os investidores participarem fisicamente ou enviarem a documentação com antecedência”, afirma o executivo.

A adoção do voto à distância é facultativa neste ano, passando a ser obrigatória em 2017 para as companhias que compõem as carteiras dos índices IBrX-100 ou IBOVESPA, e em 2018 para todas as companhias abertas registradas na categoria “A” da bolsa de valores. 

Rocha afirma que a principal motivação para a adoção do mecanismo foi ampliar a participação de investidores nas decisões corporativas, principalmente de estrangeiros e individuais. 

“Já contamos com investidores estrangeiros detentores de participação significativa e temos aproximadamente 2 mil investidores individuais, restava apenas uma forma de viabilizar a participação deles nas assembleias, algo recentemente suprido pela nova regulação”, conclui.

Em 2014, a Senior Solution reportou receita líquida de R$ 71 milhões, um aumento de 38,7% em relação ao resultado de 2013.

No final do ano passado, a companhia adquiriu a Pleno Tecnologia, empresa de soluções para administradoras de consórcios, por R$ 2,2 milhões.