Um projeto com IoT vai atuar na rastreabilidade da produção de calçados. Foto: Pexels.

A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) vai avançar no Future Footwear, programa que propõe um direcionamento inovador para empresas do setor, com o projeto Test Bed IoT.

A iniciativa do Senai/RS, Embrapii e BNDES receberá um aporte de R$ 1,5 milhão para utilização em 18 meses e tem como objetivo o desenvolvimento de produtos para controle de qualidade e rastreabilidade da movimentação de ativos com tecnologia de internet das coisas (IoT). 

Quatro empresas aderiram ao projeto: Redeplast (calçadista), Máquinas Sazi e Orisol do Brasil (máquinas para o setor), e Taggen (soluções tecnológicas). 

“Fizemos um movimento inédito no setor calçadista, atraindo empresas interessadas em soluções que envolvessem IoT para uma rodada de apresentação do edital. Foi uma forma de mostrar como pode ser simples aplicar para a captação de recursos para a inovação e já aproximá-las de um Instituto de Ciência e Tecnologia - ICT, o Senai", comenta Roberta Ramos, gestora de Projetos da Abicalçados.

O projeto aprovado vai desenvolver e implementar tecnologias IoT para a inspeção da qualidade e rastreabilidade do produto e do processo (cadeia de suprimento, incluindo suas operações fiscais relativo a NF-e, inventário e logística reversa), a partir de tecnologia RTLS (Real Time Location System) indoor e outdoor. 

Os testbeds são plataformas experimentais modulares criadas a partir de requisitos operacionais definidos por um conjunto de setores industriais, em que soluções tecnológicas podem ser testadas em ambiente controlado, mas que reproduz em escala um cenário real.

Para acessar linhas de fomento à inovação, a Abicalçados lançou, no final do ano passado, o FF Captação de Recursos. O serviço auxilia empresas do setor calçadista no desenvolvimento e escrita do projeto, submissão e defesa, atrelando sua remuneração a uma taxa de sucesso.