Aumento foi de 12,6% no trimestre, comparado a 2013. Foto: flickr.com/photos/wilkernet

No primeiro trimestre deste ano, a GVT, controlada pela Vivendi,  registrou receita líquida de R$ 1,3 bilhão. O aumento foi de 12,6% em relação ao mesmo período de 2013.

Em nota, a empresa afirmou que o resultado foi impulsionado pelo aumento contínuo do segmento de negócios das pequenas e médias empresas, além do setor varejista, que cresceu 14,2% no período. A informação é do Valor.

O lucro da companhia teve um crescimento de 9,5% no mesmo período, sem contabilizar juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda). Foi de R$ 510,7 milhões, enquanto a margem Ebitda teve queda de 1,1 ponto percentual, para 39%.

A linha de serviço para varejo e PMEs cresceu 15%, com 6,7 milhões de assinantes.  

O segmento de TV por assinatura cresceu 61,2% na comparação anual. Os 715 assinantes demonstram evolução de 55,4% comparada ao trimestre do ano passado.

O crescimento da empresa pode ter relação com as diversas ações realizadas pela GVT para expandir, além de campanhas de marketing e soluções no decorrer de 2013 e início de 2014.

Em 2013, a tele criou uma vice-presidência focada em vendas empresariais, com a oferta de telecom e data center visando dobrar a receita gerada no mercado corporativo até 2018.

As expansões para regiões do nordeste brasileiro também foram significativas para justificar o crescimento. Dentre as operações realizadas, a  GVT inaugurou em maio de 2013, o seu primeiro call center no Nordeste, na cidade de Fortaleza.

Além disso, em janeiro desse ano, a tele expandiu sua cobertura no estado de Pernambuco, iniciando sua implantação em cidades como Gravatá e Vitória de Santo Antão. O investimento inicial foi de R$ 13 milhões nas duas cidades.

Para o Sul, a empresa investiu R$ 60 milhões em Santa Catarina na rede de banda larga, TV por assinatura e telefonia fixa para atrair clientes interessados no serviço de internet rápida, além de oferecer velocidade de 25Mbps no RS  ampliando para seis as opções disponíveis ao consumidor final.

Entre as ações de marketing, eles lançaram um serviço chamado Freedom, que oferece uma espécie de "extensão" da linha fixa do assinante para um app no smartphone ou tablet.

Pelo app, os clientes de telefonia fixa podem receber chamadas de seu telefone fixo em seus dispositivos móveis com o app, usando uma conexão à web.