COVID-19

Hospitais paulistanos têm gestão com Tasy

15/06/2020 16:18

Já instalado na unidade do Ibirapuera, software da Philips agora foi adotado no Anhembi e em Parelheiros.

Hospital Municipal de Parelheiros. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM) adotou o Tasy EMR, sistema de gestão de saúde da Philips, para gerenciar os dados dos pacientes do Hospital Municipal de Campanha (HMCamp) do Anhembi e do Hospital Municipal de Parelheiros, ambos na cidade de São Paulo.

Com a pandemia, a instituição precisa atualizar o governo em tempo real, com todas as informações geradas no banco de dados, incluindo o número de casos confirmados de Covid-19, o índice de ocupação dos leitos disponíveis e o controle de altas realizadas.

Para agilizar o processo, a SPDM implementou a solução para gestão dos leitos nos dois hospitais, o que aconteceu rapidamente, pois a associação já utilizava o Tasy em 15 hospitais, 10 ambulatórios, seis farmácias e em três prontos-socorros.

“Já estávamos familiarizados com a estrutura do software e sua capacidade de gerenciar dados no ambiente de saúde, portanto não hesitamos em implementá-lo para nos ajudar a gerenciar as informações dos pacientes durante esta pandemia”, conta Brenno Martins, gerente de TI na SPDM.

Além disso, a unidade de Parelheiros instalou prontuários e prescrições eletrônicos, o que deve auxiliar em uma coleta de dados mais rápida. 

Na prática, o Tasy integra todas as áreas das instituições a fim de otimizar vários processos, incluindo entrada mais rápida e segura de pacientes no hospital, tomada de decisão clínica com base em dados relevantes e padronização de processos e protocolos para ajudar a melhorar o gerenciamento dos pacientes com Covid-19.

Segundo a Philips, a interoperabilidade de dados tem sido um grande desafio no setor de saúde há anos e a pandemia da Covid-19 destacou a necessidade de um compartilhamento de informações mais amplo, abrangente e eficiente para relatórios de saúde pública.

Embora os sistemas de registros médicos eletrônicos (EMR) existam há anos, a empresa aponta que os dados de outros sistemas dentro de uma instituição muitas vezes não fluem para o EMR e dificilmente conversam entre si.

"O Tasy permite a criação de um banco de dados único, qualitativo e integrado, oferecendo qualidade e redução de custo para as instituições de saúde. Além disso, o sistema ajuda na rápida tomada de decisão, essencial neste momento muito delicado que vivemos", afirma André Toledo, general manager da área de Health Systems da Philips do Brasil.

Em 2019, o segmento de tecnologia de saúde da Philips alcançou € 19,5 bilhões em vendas e emprega cerca de 80 mil colaboradores em mais de 100 países.

Recentemente, o hospital de campanha localizado no Complexo Esportivo do Ibirapuera, em São Paulo, também adotou o Tasy. Neste caso, o responsável pela administração da instituição é o Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo (Seconci-SP).

O Hospital Municipal de Campanha (HMCamp) do Anhembi, localizado na zona norte da capital, é o maior da cidade de São Paulo, com 1,8 mil leitos para pessoas com Covid-19 e 72 de UTI.

Já Hospital Municipal de Parelheiros está localizado no extremo sul da capital paulista com 20 leitos de UTIs e cerca de 250 leitos hospitalares, sete salas cirúrgicas e quatro salas direcionadas ao centro obstétrico.

Veja também

STARTUP
Pipo Saúde capta R$ 20 milhões

Rodada foi liderada por Monashees e Kaszek, com participação da ONEVC e investidores anjo.

EXCLUSIVO
Hospital de campanha tem gestão com Philips Tasy

Digisystem instalou solução na unidade do Ibirapuera, terceira de São Paulo.

CHATBOT
MAG: seguro para motoristas de aplicativo com O2OBOTS

Com inteligência artificial, empresa aposta no nicho composto por mais de 1,1 milhão de brasileiros.

FUTURO
ABII terá série de lives sobre indústria 4.0

A partir do dia 10 de junho, eventos abordarão tema na retomada econômica pós-pandemia.

COVID-19
PUCRS lança ferramenta de autodiagnóstico

Feito com a DBServer, site visa fornecer uma primeira orientação complementar em relação a sintomas. 

PROVA
Meta é certificada CMMI nível 3

Companhia é uma das primeiras a ter o selo de qualidade de software na versão 2.

COVID-19
HC monitora equipamentos de UTI com Elipse

Fazendo o controle remotamente, projeto busca diminuir o contato dos profissionais com os leitos.

CIÊNCIA
Cloroquina pode aumentar risco de morte

Estudo publicado na revista científica The Lancet observou 96.032 pacientes com Covid-19.

FUTURO
Coronavírus mostra o poder da manufatura aditiva

Ao redor do mundo, impressoras 3D estão sendo usadas para produzir equipamentos médicos.

TRANSFORMAÇÃO
Totvs ajuda a converter hotel em hospital

Software de gestão para hóteis agora tem funcionalidades típicas da área de saúde.