Google Glass é uma das principais apostas entre os wearables. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Os dispositivos de computação vestíveis - os wearables, como são conhecidos em inglês - tem tudo para se tornar uma potência para o consumidor nos próximos anos. Segundo uma projeção da Juniper Research, em 2018, estes aparelhos conectados gerarão uma receita de US$ 18 bilhões para o varejo mundial.

O segmento, que começou a ganhar destaque este ano, com o lançamento de produtos como o Galaxy Gear, da Samsung, e o Glass, do Google, tem um faturamento esperado de US$ 1,4 bilhão para 2013. A informação é do Mobile Time.

Segundo a Juniper, até 2018 este valor deverá aumentar em treze vezes, puxado principalmente pelas vendas de relógios e óculos conectados. Para o ano que vem, além do lançamento comercial do Glass - por enquanto em fase piloto - é esperada a entrada de outras empresas como Microsoft e Apple - cujo iWatch é objeto de rumores desde o início deste ano.

O analista Nitin Bhas, da Juniper, destacou que a competição vai se intensificar nos próximos anos, impulsionando novos produtos e chamando a atenção do consumidor final, aumentando sua visibilidade e sua adoção.

Além disso, com a chegada destes dipositivos, serão abertas novas oportunidades para desenvolvedores de apps, principalmente em áreas que podem se beneficiar de novos recursos que os wearables trarão, como saúde, bem estar e esportes.