O negócio do tablet 4K é o meio corporativo.

No futuro, os tradicionais PCs podem ser substituídos em empresas de engenharia e arquitetura por tablets 4K ultraressistentes de 20 polegadas.

Pelo menos, é que aposta a Panasonic, talvez por ser a única companhia no mercado com uma oferta do tipo até o momento.

O Toughpad UT-MB5, cuja primeira versão foi vista em janeiro na CES, foi a estrela dos japoneses no Customer Forum 3DExperience realizado em Las Vegas nesta semana.

A ideia é que os designers usem os tablets como folhas de papel na hora de fazer os seus desenhos iniciais – a tela tem o tamanho de uma folha A3 - e depois trabalhem com as máquinas acopladas em docks como se fossem PCs, podendo retirá-los e levá-los aonde for necessário.

Combinado com as features colaborativas hospedadas na nuvem que as soluções de CAD e PLM nas quais empresas como a Dassault Systemes vem apostando, o novo approach promete matar o papel de vez.

“Nossa visão é um processo digital de ponta a ponta”, afirma Robert Dobbins, vice presidente da Panasonic. “Essa é a próxima geração do ambiente de trabalho”, completa Simon Floyd, diretor de inovação e PLM da Microsoft, empresa cujo Windows 8.1 é o sistema operacional do Toughpad UT-MB5.

O produto deve estar disponível no mercado americano em janeiro de 2014 por nadamenos que US$ 5.999. Não parece o tipo de coisa que vá ser produzida no Brasil, então é de se esperar que a novidade custe bem mais por aqui.

Poderá um tablet substituir as poderosas workstations de empresas como HP, Dell e outras nos ambientes de engenharia? Isso ainda está para ser visto, mas a verdade é que o tablet 4K é um tributo à capacidade dos japoneses de produzirem hardware destinado a fazer fãs de tecnologia babarem na gravata.

Começando pela resolução 4K da tela, cuja a densidade de 365 pixels por polegada. Como comparação, a tela Retina do iPad, aclamada por suas belas imagens, tem apenas 264 ppi. O tablet tem apenas 12,5 milímetros de espessura e cerca de 2,35 quilos. 

O Toughpad vem com Windows 8.1 Pro de 64 bits com processador Intel Core i5 3437U VPro de 1,9 GHz. As versões variam na memória RAM e no armazenamento. O mais simples tem 4 GB com SSD de 128 GB e o avançado tem 8GB com SSD de 256 GB. Tudo é expansível via SDHC.

O tablet possuem placa de vídeo dedicada Nvidia 745M para suportar a alta resolução da tela de 20 polegadas. O painel é um IPS alfa LCD com bom ângulo de visão e proporção 15:10. Fazem parte do pacote uma porta USB 3.0, Wi-Fi 802.11 a/b/g/n e Bluetooth 4.0, além de uma bateria de 3060 mAh, para suportar 2 horas de uso.

Ninguém gostaria de deixar uma coisa dessas cair no chão e se quebrar como as ilusões do primeiro amor, então a Panasonic garatante que o tablet suporta quedas de até 76 centímetros, se cair com a parte de trás voltada para o chão, mesmo ligado e 30 centímetros em outras direções.

Não deixa de ser surpreendente que um povo tão avançado como os japoneses não saiba que a torrada sempre cai com a manteiga para baixo.

Maurício Renner cobre o Customer Forum 3DExperience em Las Vegas a convite da Dassault Systemes.