PRESSÃO

Explosão de processos trabalhistas na Via

15/11/2021 13:41

Quantidade de ações aumenta 82%, previsão de gasto é de R$ 2,5 bilhões.

A minha felicidade é um crediário, etc. Foto: Flickr / Via Varejo.

Tamanho da fonte: -A+A

A Via, grupo controlador das varejistas Casas Bahia e Ponto (ex-Ponto Frio), sofreu um aumento explosivo de ações trabalhistas, que cresceram 82% no primeiro semestre do ano, na comparação com o mesmo período de 2020.

Os funcionários também estão processando mais cedo: nove meses depois da demissão, frente a uma média anterior de 22 meses, o que está levando a um aumento na quantidade total de ações pela primeira vez em cinco anos.

Por causa disso, a Via divulgou um fato relevante, revelando que estava dobrando de tamanho o seu caixa de reserva para pagar ações trabalhistas, chegando a R$ 2,5 bilhões.

No fim de 2019, a empresa já havia anunciado uma provisão de R$ 1,3 bilhão para derrotas em ações trabalhistas.

Os problemas da Via são causados em parte por condições específicas da varejista, mas em outra parte por modificações estruturais que afetam qualquer empresa-

A situação interna da Via é o aumento do ticket médio das indenizações, que subiram 32%, o que a empresa explica pela “maior quantidade de condenações relativas às mudanças estruturais efetuadas pela companhia desde 2011”.

A Via não dá maiores detalhes, mas uma hipótese simples para explicar isso seria o fato de profissionais com muitos anos de casa terem entrado na justiça depois de serem demitidos na reestruturação.

O lado geral é o que a Via aponta como o “maior volume de judicialização em relação ao turn-over natural”, o que, traduzindo, significa que mais funcionários estão entrando na justiça depois de serem demitidos.

A explicação do fenômeno na Via poderia se aplicar a qualquer outra empresa.

De acordo com a empresa, o aumento se deve “principalmente à atuação de profissionais especializados em captar causas trabalhistas, que tem como prática incentivar colaboradores ativos e ex-colaboradores a demandarem contra a companhia, com promessas de ganhos e até adiantamento de valores”.

Além disso, o “cenário de deterioração econômica”, um reflexo da pandemia da Covid-19, tende a impactar diretamente na decisão de ingresso de novas reclamações, avalia a Via.

Veja também

METAS
Santander condenado por ranking interno

Para o TST, banco impôs “metas abusivas”. Funcionária foi indenizada em R$ 50 mil.

LIGAÇÃO
Demissão por telefone gera multa

Caso se deu na Oi, que foi condenada a pagar R$ 10 mil de indenização.

TRABALHO
Cobrança justa ou assédio moral?

Funcionário da Stone expõe chat do Slack e abre um debate sobre o tema no LinkedIn.

TRABALHO
TST decide contra pejotização

Decisão sobre funcionário da Rede TV pode ter grande impacto futuro no setor de TI.

CAIXA
Vikstar está em apuros

Resumo: funcionários com contratos atrasados, contrato com a Telefônica cancelado.

 

OPS!
Sonda terá que pagar PLR para 1791 funcionários

Pagamento é resultado de ação do sindicato paulista Sindpd e vale no RS, MG, SP e RJ.