Segundo o IDC, TI receberá menos em 2013. Foto: reprodução.

O setor de TI deve receber um volume menor de investimentos em 2013, segundo aponta uma pesquisa do IDC.

Conforme aponta o Valor, a consultoria revisou sua projeção de crescimento dos gastos globais no segmento, caindo dos estimados 5,5% para 4,9%, com um valor fixado em US$ 2,06 trilhões.

Em 2012 o setor registrou crescimento de 5,6% ante o ano anterior.

A IDC citou o ambiente de incertezas econômicas, com a crise da dívida europeia, como fatores influenciadores nesta redução. Estes problemas estão afetando as empresas, que estão fechando menos negócios que o esperado.

A pesquisa também apontou que mercados emergentes como a Índia e o Brasil cumpirão um papel importante puxando o setor adiante, dando sequência a uma tendência que foi reforçada nos últimos meses de 2012.

Em comunicado, a IDC afirmou que valorização do dólar pode continuar a ter impacto negativo nas receitas de fornecedores de TI com sede nos Estados Unidos.

Em 2012, os gastos com TI em dólares cresceram 2,9%, uma queda significativa em relação ao aumento de 9,5% em 2011. Com base na taxa média de câmbio do primeiro trimestre, a IDC prevê um crescimento de 4,2% dos gastos em dólares neste ano.

A forte queda nas vendas de PCs, que se agravou no segundo semestre de 2012 também foi outro fator que pesou na projeção do IDC.

Segundo a consultoria, o revés continuará, com gastos em PC caindo 3% em 2013, o terceiro ano serguido de queda na categoria.

Já os gastos com smartphones vão crescer 17% em 2013, enquanto a estimativa para os tablets é de um avanço de 32%. O crescimento combinado de PCs e tablets, no entanto, permanece na faixa de 4% a 5%.

Quanto à produção de softwares, o levantamento prevê que os gastos subirão, em uma estimativa de 5,6% em moeda constante. Em serviços e TI a expansão estimada é de 3,8%.

Em dispositivos de armazenamento, a estimativa de crescimento da receita mundial é de 2,4%.

"A demanda por produtos e serviços de TI continua forte, mas que as empresas têm sido forçadas a adiar novos projetos e investimentos frente aos longos ciclos de tomada de decisão e à falta de visibilidade em curto prazo", afirmou Stephen Minton, VP global de pesquisas de indústria e tecnologia do IDC.

Segundo outros levantamentos, 2012 também esteve abaixo da média quando o assunto é investimento em TI.

Uma pesquisa do Instituto Sem Fronteiras com 1.140 empresas que estão entre os 3 mil maiores orçamentos de tecnologia do país.apontou que os investimentos em TI pelas empresas cresceram 6% no ano passado, diante de uma previsão de crescimento de 9%.

No mesmo período, o PIB brasileiro cresceu menos de 1%.