Seta tem 2,1 mil clientes no varejo de calçados. Foto: Scopio.

A Linx, líder brasileira em software para o varejo, acaba de adquirir a Seta Digital, uma empresa paranaense especializada em sistemas de gestão e ponto de venda para o segmento calçadista.

Como a Linx costuma fazer, a compra está sendo feita por R$ 28 milhões a vista e outros R$ 8,8 milhões a serem pagos pelo atingimento de metas financeiras e operacionais entre 2019 a 2021. O negócio deve sair, portanto, pelo valor total de R$ 36,8 milhões.

A Seta Digital tem um faturamento esperado de R$15 milhões para 2020.

Sediada em Cascavel, cidade de 318 mil habitantes no oeste do Paraná, a empresa tem 70 colaboradores e 2,1 mil clientes, incluindo alguns nomes de peso como Arezzo, Melissa, Anacapri, Abys, Schutz, Casas Ajita entre outros.

A empresa foi fundada em 2005 por Vanderlei Kichel e a esposa Rosi Kichel. Antes de fundar a Seta, Kichel teve outra empresa, focada em desenvolvimento de sistemas, por mais de duas décadas.

Em nota, a Linx explica que a compra faz parte da sua estratégia de cross selling e que permitirá entrar na área de varejo de moda com serviços financeiros da Linx Pay Hub.

Como quem acompanha a companhia sabe, o Linx Pay Hub é a operação de fintech  criada em outubro de 2018 que é a galinha dos ovos de ouro da empresa.

A ideia é usar o domínio no campo de software de gestão para varejo no Brasil da Linx (41,3% de market share, segundo o IDC) para alavancar uma nova fonte de receita com potencial para ser um negócio maior do que a empresa é hoje.

A estratégia de compras da Linx nos últimos tempos tem focado nisso: em abril, a empresa comprou a Hiper, uma startup de soluções de gestão na nuvem para micro e pequenos varejistas.

Fundada em 2012, a Hiper tem 15 mil clientes ativos em 2 mil municípios e mais de 600 canais de distribuição, para os quais a Linx quer oferecer o Linx Pay. A Linx pode pagar até R$ 50 milhões pela empresa, dependendo de metas.

A Linx fez 30 compras desde 2008, mais ou menos uma a cada quatro meses e meio.

As compras incluíram fornecedores de soluções de nicho para varejo de roupa, farmácias, postos de gasolina e players de e-commerce.