O Baby.z permite à gestante fazer o controle do cartão pré-natal no app. Foto: Halfpoint/Shutterstock.

A empresa mineira de tecnologia da informação e comunicação EMX Tecnologia lançou o Baby.z, um sistema hospedado em nuvem que permite à gestante fazer o controle do cartão pré-natal pela web e por um aplicativo mobile.

Pelo cartão pré-natal, é possível acompanhar o desenvolvimento do feto e até detectar precocemente se há algum risco à saúde.

No site do Baby.z, o médico poder criar um cartão para a sua paciente. O sistema enviará um link para o e-mail da gestante com o convite para baixar o aplicativo – disponível gratuitamente para iOS e Android – que já vem com os dados preenchidos pelo médico. 

A paciente também pode acessar o sistema, criar o próprio cartão e convidar o médico para acessá-lo. Como se trata de um sistema web, não há necessidade de nenhuma instalação local no computador do usuário.

“O fato da paciente ter acesso ao cartão via aplicativo faz com que os médicos não tenham o trabalho de reescrevê-lo em caso de perda, o que acontece com frequência. É comum, também, as gestantes esquecerem de levar o cartão para as consultas”, explica um dos sócios do Baby.z, Henrique Brito. 

Além de acompanhar a evolução do bebê, a gestante e o médico conseguem visualizar esses dados em formato de gráfico, o que facilita a análise das informações. O Baby.z permite, ainda, que as gestantes façam o upload de seus exames atrás do sistema web e até reportem qualquer mal-estar para o médico usando o aplicativo, que recebe uma notificação. 

Com isso, o sistema registra um histórico sobre a paciente, evitando que qualquer informação deixe de ser reportada no dia da consulta. Os usuários têm a possibilidade de convidar mais de um médico para acompanhar a gestação. 

“Se a gestante tem algum problema na glândula da tireoide ou de diabetes, por exemplo, além do obstetra é também importante que um endocrinologista acompanhe o pré-natal. O objeto é facilitar o compartilhamento das informações entre os médicos, criando uma visão integrada sobre a paciente”, afirma. 

No futuro, o plano é monetizar o Baby.z a partir da base de informações atrativa para empresas da área de saúde. 

“Seria muito estratégico para uma empresa de planos de saúde conseguir identificar o quanto antes se alguma cliente está passando por uma gestação de risco e, com um bom pré-natal, evitar que ela utilize o CTI neo natal”, explica Brito. 

Outro modelo de ganho seria com publicidade. 

“Atualmente, a maioria dos cartões pré-natal são patrocinados por empresas da área de saúde. Com o Baby.z, estas empresas poderiam não somente divulgar sua marca, mas também interagir com os usuários”, completa.

Brito é gerente de contas da VMware e já passou por empresas como SoftwareONE e Claro. Também são sócios do Baby.z Eduardo Mitre e Edgard Mitre, diretores da EMX Tecnologia.