Usuários de ônibus terão a vida facilitada. Foto: flickr.com/photos/vejotudoenaomorro/

O Moovit, app de transporte público que opera em Porto Alegre desde agosto do ano passado, terá  acesso a dados da prefeitura sobre rotas de ônibus a partir desta sexta-feira, 17.

Assim como o Google Transit, cujo funcionamento na capital foi anunciado no começo da semana, o aplicativo da startup israelense teve acesso a dados do através do portal DataPOA.

A diferença frente à aplicação Google é que o Moovit utiliza também informações geradas pelos próprios usuários para construir um mapa de rotas, horários, características de cada linha e veículo e posição geolocalizada dos ônibus, nas quais o serviço se baseava exclusivamente até agora.

“Estamos chegando ao país de forma gradual e entendemos que os resultados obtidos na capital gaúcha serão balizadores para a sequência do nosso projeto”, explica o CEO do Moovit, Omar Tellez.

Gratuito e disponível para Android e iOS, o Moovit está em funcionamento nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Itajaí e Curitiba. 

Segundo dados da empresa divulgados no final do ano passado, cerca de 300 mil usuários brasileiros baixaram o app.

Criado em Israel em 2011, o app já está em operação em diversas cidades do mundo como Roma, Madri, Holanda, Nova Iorque, São Francisco, Chicago, Boston e outras cidades norte-americanas.

O Moovit investiu mais de US$ 4 milhões no projeto mundialmente e já conta com 1,7 milhões de usuários globais, segundo informações divulgadas pela empresa.

Em uma só semana, os usuários de transporte público de Porto Alegre passaram a ter acesso ao Google Transit e ao que tudo indica terão um melhor serviço no Moovit. 

No caso da gigante de buscas, as tratativas da EPTC para fazer a abertura datam de 2011. 

Por coincidência ou não, a empresa começou a movimentação depois da disponibilização no começo de 2011 do Poabus, um sistema bastante parecido com o Google Transit criado por Bruno Jurkovski um estudante de 20 anos da Ufrgs no seu tempo livre.

O sistema foi um sucesso, o que levou inclusive a problemas de serviço gerados pelo excesso de acessos. O projeto de Jurkovski, que não teve acesso ao banco de dados da EPTC, também não disponibilizava todas as rotas de ônibus da cidade.

No final de 2011, a EPTC lançou o PoaTransporte, a sua versão do serviço, que, se tinha mais informações sobre linhas, perdia para o site criado por Jurkovski no quesito funcionalidade.