Claro compra participação no iMusica. Foto: divulgação.

A Claro, operadora móvel pertencente ao grupo internacional América Móvil, anunciou nesta quarta-feira, 16, a aquisição de parte do capital social da iMusica, serviço de música digital que tem investimento do fundo Ideiasnet.

Criada em 2012, a iMusica foi um dos primeiros serviços nacionais e da América Latina em soluções de distribuição de mídia digital, desenvolvendo plataformas de gestão e distribuição de conteúdo, além da criação de projetos de music branding para grandes marcas.

A empresa também atua como provedora de conteúdo para operadoras de telefonia celular e serviços de música do Brasil. Por exemplo, quando o iTunes, da Apple, inclui e vende músicas brasileiras em sua loja virtual, ele usa a iMusica para fazer o processo burocrático entre editoras e gravadoras.

Embora nenhuma das empresas revele o valor do negócio, que foi assinado na terça-feira, 15, analistas de mercado apontam que venda pode chegar a uma quantia equivalente a 10% do valor de mercado da Ideiasnet.

Com o investimento da Slaro, o fundo de investimentos deve usar o dinheiro para pagar dividendos e recomprar ações.

Conforme apontam analistas, o grupo América Móvil está investindo em serviços de valor adicionado, como é o caso de plataformas de música digital, para reforçar seu portfólio de produtos.

Recentemente o grupo adquiriu uma participação no Shazam, aplicativo de reconhecimento de música, e uma parceria internacional com o Mobli, serviço móvel de vídeo com recursos de rede social, em moldes semelhantes ao Vine.

Agregando o iMusica à sua carteira, é provável que a operadora injete um gás extra aos seu serviço Claro Música e aos seus portais de conteúdo, saindo apenas dos pacotes de telefonia para seus clientes e oferecendo recursos adicionais em sua oferta.

Segundo dados da consultoria Ovum, o mercado de música digital cresceu cerca de 9% em 2012 e deve crescer US$ 9 bilhões em todo o mundo em 2014. O Brasil é um dos países mais aquecidos. Serviços de streaming como Deezer, Rdio e Spotify, que deve aterrisar em breve em terras canarinhas, estão de olho no mercado nacional.