José Furst, diretor de vendas da Ingram Micro Cloud. Foto: Divulgação.

A Ingram Micro acaba de se tornar a primeira distribuidora no Brasil a ter no seu porfólio a oferta da plataforma de computação em nuvem Softlayer da IBM.

É a segunda oferta do gênero da companhia, que já oferecia também o Azure da Microsoft.

Inicialmente, a Ingram Micro fornecerá todos os serviços de IaaS (Infrastructure as a Service). Em um segundo momento, oferecerá todos os serviços de cloud da IBM no Brasil, incluindo a plataforma de PaaS IBM Bluemix. 

“Historicamente, os serviços de IaaS e PaaS respondem por metade do mercado endereçavel de cloud no país e a oferta de Softlayer complementa nossa estratégia de ser referência no setor de nuvem no Brasil”, garante José Furst, diretor de vendas da Ingram Micro Cloud.  

A Softlayer está integrada à plataforma Cloud Marketplace da Ingram, ou seja, as revendas podem comprar, provisionar, administrar e faturar de forma automatizada.

A Ingram, assim como outros grandes players no segmento de distribuição, tem feito esforços por reforçar sua presença na nuvem.

O próprio Furst, contratado em junho do ano passado, é parte da estratégia. O executivo foi VP de Marketing e Canais da Unify na América Latina. Ele também conta com duas passagens pela Cisco, onde foi gerente de vendas.

A meta de Furst é usar sua  expertise em TI, telecom e cloud para tornar a distribuidora um provedor master em cloud no país, em sintonia com a estratégia global de diversificação e serviços com maior valor agregado.

A movimentação deu um passo atrás em novembro em 2015, quando a Oi decidiu trocar de distribuidora das suas ofertas na nuvem da Ingram pela Westcon.

Foi uma revés pequeno, uma vez que a própria Oi, assim como as demais operadoras, ainda está tateando seu caminho nesse segmento.

A IBM também precisa correr atrás quando o assunto é nuvem, um mercado na qual Amazon Web Services, Google e Azure tomaram a frente.

Em agosto do ano passado, a multinacional abriu seu primeiro data center de SoftLayer no Brasil. 

Sediado em Jundiaí, a 60 quilômetros de São Paulo, é o segundo da empresa no país - a Big Blue tem outro data center em Hortolândia - mas representa o segundo da companhia na América Latina, a entrar na rede de 40 data centers dedicados da companhia à oferta de nuvem pública.