Nivel Siete une forças com a Blackboard. Foto: divulgação.

A Blackboard anunciou na semana a compra da colombiana Nivel Siete, uma das principais provedoras de soluções de educação baseadas no padrão aberto Moodle para a América Latina, por um valor não divulgado.

Segundo destacaram as duas empresas em nota, a união de forças servirá para aumentar o leque de serviços e soluções para fortalecer o Moodle na região, incluindo países como Mexico, Brasil, Colombia, Peru, Equador, Venezuela, Honduras e República Dominicana.

Com cerca de 200 clientes, a Nivel Siete oferece serviços como desenvolvimento de soluções de ensino, hosting, suporte e consultoria, com foco dedicado a gerencialmento de talentos e treinamento para empresas.

Para a Blackboard, adicionar a Nivel Siete ao portfólio representa um comprometimento da marca com padrões abertos, tecnologias de grande adoções em países como Colombia, Mexico e Brasil.

"Estamos vendo um forte crescimento para nossas soluções abertas, em particular para Moodlerooms, com a chegada de mais de 80 novos clientes nos últimos meses. Soluções open source fazem parte integral de nossa estratégia e continuaremos a suportá-las", afirmou Matthew Small, VP Sênior de negócios internacionais da Blackboard.

Para José Diáz, CEO da Nivel Siete, trabalhar ao lado da Blackboard aumentará o alcance de soluções da companhia para clientes e negócios na América Latina.

"A comunidade local Moodle vai ter benefícios com essa aquisição, que vai abrir novas oportunidades para o compartilhamento de informações e melhores práticas", avaliou o executivo.

Desde a sua aproximação com a comunidade open source de tecnologias para educação em 2012, a Blackboard fez diversas aquisições de companhias dedicadas ao Moodle. Recentemente a companhia comprou a britânica Remote-Learner UK e a norte-americana X-Ray Analytics.

Atualmente, a Blackboard atende 19 mil clientes, espalhados por 1,9 mil instituições em 100 países, incluindo o Brasil. Com foco em instituições de ensino superior, a multinacional tem suas soluções em cerca de 80% das maiores escolas e universidades do globo, segundo dados fornecidos pela própria Blackboard.

No mês passado, a gigante multinacional do segmento de softwares para educação acenou para uma possível venda de seu controle acionário, em um negócio avaliado em cerca de USS 3 bilhões.

Em abril do ano passado, a empresa fechou um acordo com Universidade Positivo, até então o maior negócio já realizado pela multinacional de educação a distância no país.

Pelo contrato, foram atendido cerca de 10 mil alunos, com possibilidade de extensão para as cerca de 40 instituições de ensino superior usuárias do Portal Universitário, um dos portais de educação criados pela Positivo Informática. Aí seriam 100 mil outros alunos.

No embalo dos novos contratos, a Blackboard divulgou no final do ano passado a abertura de um data center no Brasil. No entanto, a empresa não abriu prazo, o local, o preço ou qualquer outra característica do centro.

A Blackboard é representado com exclusividade no Brasil desde 2011 pelo Grupo A, editora de livros educacionais formada pelos selos editoriais Artmed, Bookman, Artes Médicas, McGrawHill, Penso e Tekne.

São mais de um milhão de usuários em 70 instituições diferentes no Brasil, incluindo nomes como Feevale, FGV, FAAP, Dom Cabral, ESPM e Senac-SP.

A Blackboard fechou o capital em 2012, após ser adquirida por US$ 1,64 bilhão por um fundo de investimentos. Em 2010, último ano para o qual existem dados públicos do ano, o faturamento foi de US$ 447,32 milhões.