BOLSA

Neogrid levanta R$ 486,5 milhões

17/12/2020 13:25

Maior parte do dinheiro captado no IPO deve ser usado em fusões e aquisições.

"Comprem ações da Neogrid na B3".

Tamanho da fonte: -A+A

A Neogrid, multinacional brasileira de software supply chain, captou R$ 486,5 milhões por meio da sua abertura de capital.

As ações da empresa catarinense começaram a ser negociadas na bolsa de valores B3, antiga Bovespa, nesta quinta-feira, 17.

Em nota, a empresa revelou que deve gastar a maior parte do dinheiro (80%) comprando outras empresas, ou, para usar o jargão da área, “fazendo M&A”. Os outros 20% serão usados em marketing. 

As ações da Neogrid foram vendidas por R$ 4,50, um pouco abaixo das expectativas iniciais da empresa, que ficavam entre R$ 5,50 a R$ 7,25.

"A Neogrid possui um modelo de monetização marcado pela previsibilidade de receita e com altos índices de retenção de clientes. Com a confiança dos investidores, reforçamos nosso compromisso para elevar a potência de nossas soluções e levá-las para mais clientes no Brasil e no mundo", afirma Eduardo Ragasol, CEO da Neogrid.

Ragasol assumiu o cargo em outubro, no lugar do fundador, Miguel Abuhab, que passou para a presidência do conselho de administração da Neogrid.

O executivo mexicano já vinha atuando nos últimos oito meses como COO.

Com sede em Joinville, em Santa Catarina, a Neogrid tem uma lista de clientes com nomes como Sony, Bauducco, Cimed e Kraft Heinz.

Fundada em 1999, a Neogrid conecta empresas e outros participantes da cadeia de suprimentos em sua plataforma. 

Atualmente, são mais de 37 mil indústrias, 5 mil distribuidores e 150 grandes redes varejistas (que representam milhares de lojas físicas), distribuídas em todo o país e internacionalmente.

"Em um mundo onde os produtos viraram commodities e preços não são mais diferenciais, o bom gerenciamento de estoque e a liberação de capital de giro passam a ser uma vantagem competitiva decisiva", pontua Miguel Abuhab, fundador da Neogrid.

Em 2019, a companhia registrou lucro líquido de R$ 8,65 milhões, com uma receita líquida de R$ 207 milhões.

B3 VIROU A NASDAQ

A B3 tem vivido uma série de aberturas de capital de empresas de tecnologia.

No momento, estão em processo de abertura de capital empresas como o site de comércio eletrônico Enjoei, a plataforma de imóveis para alugar Housi e a Mosaico, dona dos sites de conteúdo para e-commerce Zoom, Buscapé e BondFaro.

De acordo com o site Neofeed, trata-se de um fenômeno inédito no Brasil, onde até agora apenas empresas de tecnologia consagradas abriram capital, como a Totvs, ou, mais recentemente, a Locaweb.

O movimento acontece em um momento de alta geral da bolsa brasileira, na qual estão programadas 50 IPOs, embalados por um momento de juros baixos no país e de busca de alternativas pelos investidores.

Segundo especialistas ouvidos pela Neofeed, a qualidade das startups também melhorou, com a maioria das candidatas já sendo lucrativa. 

Os investidores que colocaram dinheiro até agora querem recuperar o investimento e a B3 se apresenta como uma alternativa. 

Veja também

ELEIÇÕES 2020
Joinville tem 1° prefeito do Novo

Polo nacional de tecnologia elegeu o empresário Adriano Silva com 55% dos votos.

ARRIBA
Ragasol assume comando da Neogrid

Mexicano tem a missão de substituir Miguel Abuhab, um ícone da TI nacional.

SÉRIE
Locaweb compra Melhor Envio por R$ 83 milhões

Quinta compra no ano, segunda no mês de dezembro. A lista ainda é longa.

TENDÊNCIA
B3 vai virar a Nasdaq?

Uma fila de startups se prepara para fazer IPOs na bolsa brasileira.

LOGÍSTICA
Praxio compra Fusion

Startup recifense nasceu na Universidade Federal de Pernambuco e foi acelerada no CESAR Labs.

COMPRAS
Floki recebe aporte de R$ 3,6 milhões

Rodada pré-seed foi liderada pela Iporanga Ventures e teve a participação de investidores-anjo.

QUENTE
Agibank cria spin off de tecnologia

HypeFlame nasce com 400 profissionais e receita de R$ 200 milhões.

ADEUS
Chineses vendem a Ingram Micro

Fundo americano comprou a gigante de distribuição por US$ 7,2 bilhões.

MAIS UMA
Stefanini compra N1 IT

Integradora adquirida trabalha com Microsoft, Adobe e Kaspersky.

FINTECH
Lojas Americanas compra Bit Capital

Startup investida pela Gávea Angels possui uma plataforma de open banking baseada em blockchain.