Leandro Rondão e Eduardo Kondo.

O Aché Laboratórios migrou 4,5 mil contas de e-mail para o Office 365, em um projeto realizado pela Brasoftware.

Com a migração, foram desativadas 2,5 mil contas do Exchange e outras 2 mil do UOL, usadas pelo time de vendas.

Com a implementação, todas as áreas da companhia foram unificadas em uma plataforma na nuvem. Os custos de infra caíram 20%.

O pacote inclui a expansão do uso do Sharepoint Online, o Skype for business para todos os colaboradores e a rede social corporativa Yammer. Cada usuário recebeu ainda 1 TB de espaço no OneDrive.

“O usuário ganhou mais recursos para ser colaborativo e produtivo”, resume Eduardo Kondo, CIO da Aché.

O Aché tem investido forte em atualizar seu parque tecnológico. A companhia é pioneira na implantação de alguns módulos específicos da SAP para a área farmacêutica rodando no Hana, a nova plataforma de computação em memória da multinacional alemã.

Kondo, junto com o gerente de Sistemas da Informação Leandro Roldão, está em Orlando apresentando o case da companhia no Sapphire Now, evento mundial da SAP.

Uma das principais novidades apresentadas até agora, por sinal, diz respeito a companhias como a Aché, que usam tecnologia da SAP e Microsoft.

Ambas empresas anunciaram a integração de alguns dos produtos da multinacional alemã e a suíte de escritório Office 365.

Por meio do acordo, o software de gestão de viagens corporativas Concur e de gestão de RH SucessFactors, adquiridos pelas SAP nos últimos anos, serão integrado à agenda do Office 365, por exemplo.

Outra funcionalidade é a integração do Skype com a solução de procurement digital Ariba, o que permitiria fechar negócios diretamente no software de videoconferência. 

O Aché não tem sentido os efeitos da crise. A empresa projeta investir R$ 80 milhões em 2016 na ampliação das suas operações, com fábricas em Guarulhos, Santo Amaro,  Anápolis e uma operação recentemente adquirida em Londrina.

Entre janeiro e setembro do ano passado, a companhia tinha totalizando vendas de R$ 3,18 bilhões, uma alta de 22% frente aos resultados do ano anterior, totalizando cerca de 5,6% do mercado nacional, segundo um estudo da Exame.

É uma performance acima da média. No mesmo período, o setor farmacêutico cresceu 15,01%. Os dados são de um levantamento da consultoria IMS Health, feito a pedido da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (PróGenéricos).

* Maurício Renner cobre o Sapphire Now 2016 em Orlando a convite da SAP.