Hackers enviaram mensagens para a base de usuários do Globoplay.

Clientes do serviço de streaming Globoplay receberam mensagens de push nos seus celulares enviadas por um grupo de hackers no final da noite de sábado, 16,

As duas mensagens afirmavam que a Globoplay havia sido hackeada pelo grupo OurMine, deixando um e-mail de contato e pedindo para que usuários subissem a hashtag #GloboHack no Twitter.

A ação de marketing dos hackers foi um sucesso, com a hashtag entre as mais comentadas do país ao longo do domingo.

Em nota, o Globoplay disse que a invasão foi apenas sistema de envio de push notifications do Globoplay, gerenciado por uma empresa parceira.

Assim, de acordo com a emissora, nenhuma informação de usuário foi comprometida e que não seria necessário apagar o aplicativo.

“O sistema de push notifications não se conecta com os bancos de dados dos nossos usuários e nem a qualquer outro sistema. Os invasores se limitaram a enviar as mensagens para toda a base, no que se chama tecnicamente de broadcast push, sem que os destinatários tenham sido individualizados”, se defendeu a emissora.

Em janeiro, o OurMine sequestrou dezenas de contas de equipes da Liga Nacional de Futebol (NFL) dos Estados Unidos. Em 2017, foi a vez da plataforma de vídeos Vevo.

O Globoplay é um alvo respeitável. Lançado em 2015, ele é hoje o segundo maior serviço de streaming do país, atrás apenas da Netflix, com cerca de 20 milhões de usuários eventuais, e, segundo especulado pela imprensa, entre 1 milhão e 3 milhões de usuários pagantes.

O streaming vem recebendo um investimento pesado da Globo. Em 2020, consumirá R$ 1 bilhão entre tecnologia e conteúdo, e, quem sabe, um novo sistema de envio de mensagens de push.