PTC comprou Atego por US$ 50 milhões. Foto: divulgação.

A PTC comprou a Atego, fornecedora inglesa de software para engenharia de sistemas por US$ 50 milhões.

O software da Atego se encaixa na visão da fornecedora de sistema de CAD e PLM de oferecer uma solução completa para a gestão do ciclo de vida do produto, que cada vez mais inclui também a gestão de aplicações embedadas em máquinas e artigos de consumo.

As soluções da Atego facilitam o desenho de produtos que incluam sistemas mecânicos, elétricos, de software e controladores, o que é o caso de cada vez mais produtos e um dos desafios apresentados pela ascendência da Internet das Coisas.

Apesar de estar no mercado há 30 anos, a Atego é um player de nicho, com receita de US$ 20 milhões nos últimos meses. A PTC espera uma receita de US$ 5 milhões com a novidade só no próximo trimestre.

No seu site, a empresa cita clientes como Peugeot Citroën e Alstom. A empresa tem um representante no Brasil, a Konatus, fundada em 2008 em São José dos Campos por um ex-supervisor do time de controles de voo da Embraer.

A PTC fez uma série de compras nos últimos anos, visando diminuir a dependência do negócio do software de CAD, um tipo de produto em boa parte comoditizado, e apostar em softwares capazes de suportar novas tendências mercadológicas, como o crescente foco em serviços da manufatura, e tecnológicas, como a Internet das Coisas.

Essa última tendência foi o alvo da aquisição por US$ 112 milhões da ThingWorx, uma startup criadora de uma plataforma de desenvolvimento para aplicações de Internet das Coisas no finalizinho de 2013.

Meses antes, a PTC comprou a Enigma, uma empresa americana especializada em software de gerenciamento do ciclo de vida de serviços (SLM, na sigla em inglês), por um valor não revelado.

A estratégia de SLM decolou em agosto de 2012, quando foi adquirida a Servigistics por US$ 220 milhões .

Desde 2005, foram adquiridas ainda a Arbortext, ITEDO, LBS e 4CS. O maior negócio foi a compra da canadense MKS por US$ 300 milhões em 2011, em uma aposta para completar a oferta de soluções de gestão de ciclo de vida de aplicações (ALM, na sigla em inglês).

Fazer as ofertas alternativas decolar é fundamental para a PTC acelerar seu crescimento, que no ano passado ficou em 3%, com a empresa faturando US$ 1,29 bilhão.

* Maurício Renner viajou ao PTC Live em Boston a convite da PTC.