Tomaz Oliveira, vice-presidente de Cloud Computing da IBM Brasil. Foto: Divulgação.

O Livelo, programa de fidelidade criado pelo Bradesco e pelo Banco do Brasil, contou com o desenvolvimento e implementação de um modelo de governança baseado em DevOps com IBM Cloud

Lançada oficialmente em junho, a Livelo adotou o DevOps – cultura que alia metodologias ágeis de desenvolvimento com a administração de recursos de infraestrutura baseados em automação - para permitir agilidade na condução das demandas do dia-a-dia e a execução dos novos projetos, sem deixar de lado os controles exigidos pelas regulamentações do setor. 

Todos os sistemas responsáveis pela sustentação do negócio da Livelo, desde o website até a conta corrente de pontos dos clientes, estão alocados em uma infraestrutura baseada em nuvem (Softlayer).

“A IBM criou um novo modelo de serviços para entregar uma infraestrutura híbrida de TI que suportasse as demandas e a agilidade de DevOps, considerando aspectos de resiliência e de segurança. A solução criada para a Livelo garante a confiabilidade e a estabilidade dos dados, ao mesmo tempo em que provê a velocidade e a elasticidade necessárias para atender às diversas demandas do mercado de fidelização”, destaca Tomaz Oliveira, vice-presidente de Cloud Computing da IBM Brasil.

Criada em 2014 a partir da união entre Banco do Brasil e Bradesco, a Livelo chega ao mercado com mais de 10 milhões de participantes e 15 parceiros.

“O foco da operação da Livelo é estar sempre disponível aos nossos clientes e ter escalabilidade sustentável em tecnologia para acompanhar a expansão do nosso negócio. A IBM está conosco desde o início por conseguir propor uma solução com tecnologia flexível, confiável e dinâmica para nos dar a liberdade de manter o foco no negócio”, comenta Felipe Pontieri, head de TI da Livelo.

A empresa iniciou suas operações em 2016 com o objetivo de oferecer a melhor experiência no resgate de pontos, com diversos produtos e serviços reunidos em um marketplace próprio. 

Atualmente, a Livelo tem parcerias com empresas como Walmart, Fast Shop, CNova, Satelital, Shell, M4U (recarga de celular Vivo/Claro/Tim/Oi), CVC, Multiplus, Smiles, Azul, Avianca e TAP e Dotz.

Há pouco mais de um ano, a IBM anunciou a inauguração de seu primeiro data center de SoftLayer no Brasil, com o plano de expandir sua presença na nuvem e seus serviços de infraestrutura como serviço (IaaS).

A inauguração fez parte de um plano maior da multinacional de expandir sua rede de Softlayer, um investimento global de US$ 1,2 bilhão feito em 2014.

Além disso, em junho a IBM mudou a forma de pagamento da Softlayer no Brasil, passando a aceitar cartões nacionais no pagamento, faturado agora por sua subsidiária brasileira.

De acordo com a empresa, quando a contratação do serviço é realizada em dólar com cartão de crédito internacional, o cliente precisa recolher cerca de 51% de impostos. Com a nova opção, esses encargos caem para cerca de 15%.