ZTE quer produção local no Brasil. Foto: flickr.com/photos/N000@3

Tamanho da fonte: -A+A

A ZTE está com tudo engatilhado para produzir aparelhos celulares no Brasil. Só falta um parceiro. Primeiramente empresa planeja firmar acordo com alguma OEM local para tocar sua produção.

Segundo informa o Mobile Time, a empresa chinesa já tem até um terreno comprado em São Paulo para fazer sua produção, mas mantém a cautela antes de contratar algumas centenas de funcionários para tocar este projeto.

"Precisamos ter mais experiência antes de contratar tanta gente, pois será um grande passo", explicou Li Qiuyang, presidente da ZTE no Brasil, que adianta que a empresa já está em negociação com fabricantes.

Com isso, a empresa, que em 2012 teve prejuízos de aproximadamente US$ 400 milhões, o plano é iniciar com uma produção em parceria com fabricantes locais, e depois abrir uma unidade fabril própria.

A vontade da companhia é começar a produção local de dois ou três modelos de smartphones ainda este ano, um deles já enquadrado na política de desoneração tributária criada pelo governo federal, diz Qiuyang.

A entrada no mercado brasileiro vem da dificuldade da empresa em competir frente aos altos tributos e a burocracia na importações de eletrônicos. Segundo a empresa, produzir localmente trará melhorias de preço e no fornecimento dos produtos.

Atualmente, boa parte da produção de companhia se destina ao mercado chinês, mas a estratégia é levar a marca ao um público maior.

Na área de infraestrutura, a fabricante chinesa não conseguiu contratos para as redes 4G, mas aposta que terá sua chance de brilhar em outras tecnologias, como em novas redes de transmissão.

"Somos pacientes. Quando chegar a hora certa seremos escolhidos como parceiro principal", projeta o executivo, que destaca o foco da ZTE em pesquisa e desenvolvimento, com 20 mil funcionários dedicados a este fim, enquanto concorrentes vêm demitindo engenheiros.

"Acreditamos que somos os players mais estáveis para os próximos dez anos", finaliza.